Centrais fazem protesto por reajuste do piso regional do RJ, congelado desde 2019

As centrais sindicais realizaram nesta quinta-feira (30) um protesto em frente Palácio Guanabara, sede do governo do Rio de Janeiro, para exigir que o governador Claudio Castro envie à Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro) um projeto de reajuste do salário mínimo regional do estado.

O piso regional do Rio de Janeiro está congelado desde 2019, quando teve um reajuste de 3,75%, sancionado pelo ex-governador Wilson Witzel. Com isso, duas das cinco faixas salariais do piso regional já estão abaixo do salário mínimo nacional, que hoje é de R$ 1.320.

Com a Política Permanente de Valorização do Salário Mínimo, o mínimo nacional será reajustado todos os anos pela inflação mais crescimento do PIB de dois anos anteriores, o que deve ampliar ainda mais a diferença caso a situação dos trabalhadores fluminenses não seja corrigida.

A faixa 1 do piso no Rio de Janeiro é de R$ 1.238,11 e a faixa 2, de R$ 1.283.73, sem qualquer previsão de correção. Assim, o estado é o único dentre as unidades da federação que adotam o mínimo regional a ter um piso menor que o nacional. Os demais – São Paulo, Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul – possuem piso salariais que superam o nacional, sendo o menor deles de R$ 1.521 para a primeira faixa em Santa Catarina.

Relacionada: Deputados aprovam reajuste de 9% do salário mínimo regional do RS; confira valores

Confira os atuais valores e categorias do piso regional do Rio de Janeiro:

Faixa 1 – R$ 1.238,11: Auxiliares de escritório; catadores de material reciclável; empregados domésticos; guardadores e lavadores de veículos; trabalhadores agropecuários; trabalhadores de serviços de conservação e manutenção, entre outros.

Faixa 2 – R$ 1.283,73: Ascensoristas; auxiliares de creche; cabeleireiros e manicures; barbeiros; carteiros; cozinheiros; comerciários; cuidadores de idosos; esteticistas; garçons maqueiros; merendeiras; motoboys; operadores de caixa; pedreiros; pintores; trabalhadores da construção civil; trabalhadores de serviços de proteção e segurança, entre outros.

Faixa 3 – R$ 1.375,01: Agentes de trânsito; auxiliares de enfermagem; baristas; bombeiros civis; condutores de veículos de transportes; eletricistas; frentistas; guias de turismo; marceneiros; porteiros;telefonistas e operadores de telemarketing; trabalhadores de sondagem e ligas metálicas; zeladores, entre outros.

Faixa 4 – R$ 1.665,93: Bombeiros civis líder; entrevistadores sociais; podólogos; técnicos em contabilidade; técnicos em enfermagem; técnicos em farmácia; técnicos em laboratório; trabalhadores de nível técnico registrados nos conselhos de suas áreas, entre outros.

Faixa 5 – R$ 2.512,59: Fotógrafos; intérpretes de Libras; motoristas de ambulância; técnicos de eletrônica; técnicos de instrumentalização cirúrgica; técnicos de segurança do trabalho; técnicos em radiologia; técnicos industriais de nível médio, entre outros.

Faixa 6 – R$ 3.158,96: Assistentes sociais; bibliotecários; biólogos; contadores; economistas; enfermeiros; fisioterapeutas; jornalistas; nutricionistas; pedagogos; professores de Ensino Fundamental (1° ao 5° ano) com regime semanal de 40 horas; psicólogos; sociólogos, entre outros.

Compartilhe:

Leia mais
mpt recomendação contadores contribuição sindicatos
Contador não pode incentivar oposição à contribuição sindical, orienta MPT
CSB no Forum Interconselhos 2024
Governo retoma Fórum Interconselhos com G20 Social e Plano Clima em foco; CSB participa
reuniões centrais sindicais 16 e 18 julho
Centrais realizam reuniões por região nos dias 16 e 18 de julho sobre agenda legislativa; participe
reunião CNT 10-7-24
CNT discute ação coordenada diante de transformações no mercado de trabalho
Ernesto e Álvaro CSN reunião Consea
CSB indicará nome para substituir Lino de Macedo no Conselho de Segurança Alimentar
protesto servidores Ipsemg 9-7-24
Em meio a protestos dos servidores, projeto sobre Ipsemg tem votação adiada
ministro do trabalho luiz marinho saqui aniversário fgts
Ministro do Trabalho quer fim do bloqueio do FGTS para quem optou por saque-aniversário
regra-nas-relacoes-de-trabalho-clemente-ganz-lucio
Clemente Ganz: Negociação coletiva e a estratégia de desenvolvimento produtivo
Projeto de lei motoristas em apps
Centrais sindicais criticam alterações em projeto de motoristas em apps
Protesto servidores Ipsemg
Sindicato dos Servidores do Ipsemg convoca para protesto contra projeto sobre o Instituto