Produtora de café “gourmet” paga multa por flagrante de trabalho escravo em MG

Trabalho escravo em MG – Um produtor de café “gourmet” que exibe um selo de sustentabilidade em sua embalagem teve sete trabalhadores resgatados de condições análogas à escravidão por um grupo de fiscais do Ministério do Trabalho na última colheita de café em Minas Gerais. 

Durante uma fiscalização do Grupo Especial de Fiscalização Móvel, quatro homens e três mulheres foram encontrados em uma propriedade das Fazendas Klem em Manhumirim em instalações precárias, sem acesso a recursos básicos como higiene e local para alimentação. 

De acordo com o relatório dos fiscais do GMóvel, os trabalhadores foram instalados em uma casa com banheiro sem descarga, ao lado de esgoto a céu aberto. Além disso, não foram fornecidas as ferramentas de trabalho, material de proteção e nem abrigo para alimentação quando estavam na lavoura. 

“A moradia estava completamente suja; não eram fornecidas roupas de cama, não havia local para tomada de refeições, lavanderia para higienização das roupas e objetos de uso pessoal. As refeições preparadas pelos próprios trabalhadores eram realizadas no alojamento que não possuía condições de conservação, asseio, higiene e segurança”, diz o documento. 

O caso foi resolvido em uma audiência na unidade regional do Ministério do Trabalho, após o proprietário pagar o que devia aos trabalhadores, que voltaram à Bahia. Ele recebeu uma multa de R$ 13 mil por pessoa. 

Apesar de ter concordado em pagar os trabalhadores, Cesar Viana Klem, proprietário do negócio, disse em uma publicação que fez em 7 de março em uma rede social que “criaram uma narrativa de trabalho análogo a escravo” envolvendo sua empresa. 

“Nós tívemos nossa propriedade ‘invadida’ por ‘supostos trabalhadores’, que criaram uma narrativa de ‘trabalho análogo a escravo’ que está nos levando à falência. Se nada for feito no sentido de auxiliar o agricultor, essa esquerda vai destruir o agronegócio brasileiro!!!!!”, escreveu ao comemorar a prisão de José Rainha, líder da FNL (Frente Nacional de Lutas Campo e Cidades). 

A Fazendas Klem era um dos poucos produtores de café do país a ostentar o selo Rainforest Alliance, uma ONG que atesta a sustentabilidade de produtores agrícolas em todo o mundo.  

A organização diz em seu site atesta que determinado produto ou ingrediente “foi produzido por agricultores, silvicultores, e/ou empresas trabalhando em conjunto para criar um mundo onde as pessoas e a natureza prosperam em harmonia”. 

Procurada pela Folha de S.Paulo, a Rainforest Alliance informou que a produtora de café não conta mais com a certificação. 

Com informações de: Folha de S.Paulo

Leia mais: Brasil tem recorde de denúncias de escravidão contemporânea em 2022; veja dados

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)