Prevenção a distância

Trabalho remoto é uma modalidade em expansão no Brasil que precisa ser discutida para que mecanismos de SST protejam os trabalhadores nesta nova relação de trabalho

A analista de suporte técnico Tabata Bruna Arboleya Amaral (veja Satisfação com o novo modelo, na página 42), como milhares de outras pessoas, acorda cedo todos os dias e cumpre sua jornada de trabalho de oito horas. A diferença entre ela e a maioria dos trabalhadores é que Tabata não sai de casa para fazer isso.

Funcionária da Totvs, empresa que atua com softwares de gestão, Tabata é uma das 115 pessoas que entraram no programa de home based da empresa e hoje executa suas funções em casa, com a ajuda da tecnologia. O dia a dia da analista, porém, não é tão diferente.

Seu posto de trabalho foi examinado e adequado antes dela entrar no novo formato, seu contato com a liderança é constante e ela tem reuniões semanais na empresa, nas quais mantém a comunicação com a equipe, além de metas a cumprir.

Tabata é um exemplo do regime de teletrabalho ou trabalho remoto – aquele que, segundo o conceito da Sobratt (Sociedade Brasileira de Teletrabalho e Teleatividades), é executado fora do ambiente da empresa e com uso de tecnologia da informação e da comunicação.

A funcionária da Totvs é contratada sob o regime celetista, conta com todos os direitos trabalhistas, é acompanhada pelo SESMT da empresa e tem liberdade para remeter suas dificuldades.

Entretanto, a realidade do teletrabalho no país nem sempre é assim. Existem maneiras diferentes de contratação nesta modalidade, e falta de legislação clara para servir como base. “O teletrabalho é um modelo novo, em desenvolvimento e sabemos que há equívocos na sua formatação, como a falta de controle de jornada, contratação sem direitos trabalhistas e sem acompanhamento da área de Saúde e Segurança do Trabalho”, destaca o presidente do Sindpd (Sindicato dos Trabalhadores em Processamento de Dados e Tecnologia da Informação do Estado de São Paulo), Antonio Neto.

É unanimidade entre os especialistas que o modelo vai crescer nos próximos anos. O importante é que ele seja debatido agora para que tanto trabalhadores quanto empresas possam ter ganhos e, principalmente, segurança e saúde.

Teletrabalho é todo e qualquer trabalho realizado a distância (tele), ou seja, fora do local tradicional de trabalho (escritório da empresa), com a utilização da tecnologia da informação e da comunicação, ou, mais especificamente, com computadores, telefonia fixa e celular e toda tecnologia que permita trabalhar em qualquer lugar recebendo e transmitindo informações, arquivos de texto, imagem ou som relacionados à atividade laboral. Este é o conceito de teletrabalho com o qual a Sobratt (Sociedade Brasileira de Teletrabalho e Teleatividades) define a modalidade.

“Entendemos que tem que haver o uso da tecnologia para uma atividade ser conceituada como teletrabalho, e não apenas que ela seja executada em casa. Aliás, o teletrabalhador pode ser o que chamamos de nômade, ou seja, não trabalhar de casa, mas na rua, em lan houses, na sala de espera de um cliente, no saguão de um aeroporto. O que define é ele estar fora do ambiente da empresa e fazer uso da tecnologia. Hoje, com um smartphone, a pessoa pode realizar uma série de atividades laborais, mandar e-mails, executar vendas, fechar negócios, mandar textos, enfim, não precisa ter um posto fixo”, afirma Álvaro Mello, presidente da Sobratt.

Neste sentido, a maior parte dos agentes envolvidos com o tema teletrabalho vê o uso da telemática como critério para que este seja caracterizado. Dessa forma, o trabalho feito em casa por produção, como trabalhos de costura, confecção e outros, não estaria englobado no conceito de teletrabalho.

“São várias as compreensões sobre o que se entende por teletrabalho. Sua principal característica é a possibilidade de transmissão em tempo real, via telemática. Houve, nos anos 1990, uma profusão de definições para o teletrabalho, mas que, de certa forma, convergiam para a seguinte característica: um trabalho realizado de forma descentralizada da empresa e apoiado na telemática, uma vez que o trabalhador não está no espaço físico da empresa. É, portanto, uma situação distinta das existentes na sociedade industrial”, indica a professora e pesquisadora da Faculdade de Educação da Unicamp e autora de livros sobre relações de trabalho, especialmente no telemarketing, Selma Venco.

Fonte: Revista Proteção

Confira aqui a reportagem completa

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)