Nosso povo sofre, nossa Pátria chora

 

Enquanto 13 milhões de brasileiros amargam o sofrimento do desemprego e 38 milhões, o desalento da informalidade, o presidente Jair Bolsonaro impõe como grande medida institucional a comemoração oficial do golpe de Estado que resultou na ditadura militar em 1º de abril de 1964.

Entre outras coisas, a ação visa tirar a atenção das investigações criminais contra seus familiares e correligionários e do fracasso absoluto de seu insipiente governo, e revela uma doentia e sádica veneração por um regime marcado por assassinatos, torturas e interferência externa nos rumos políticos do nosso País.

Os militares estariam agora obrigados a celebrar o aniversário da entrada no Brasil dos manuais e cursos de tortura da CIA? Ou a submissa e ridícula “visita” a este órgão norte-americano pelo seu presidente Bolsonaro, seu filhote e ministro da Justiça?

Os militares irão comemorar a hiperinflação parida em seus longos anos de governo ou a inanição patriótica de um ministro da economia que os comanda, que quer lhes sacar os parcos direitos e a aposentadoria do povo brasileiro inteiro?

Será que os defensores de nossa soberania irão solenizar a entrega da Embraer para os americanos, da base de Alcântara e da nossa minguada economia? Ou a sua subordinação forçada e vergonhosa a um exótico colombiano que os comanda no Ministério da Educação?

Talvez nossos militares não estejam satisfeitos em festejar o fato de seus superiores participarem de uma visita aos Estados Unidos, onde o seu comandante subjugou os interesses do nosso País, aceitando alinhar-se como colônia a um império decadente, como bem destacou o ex-ministro Delfim Neto.

Poderiam ainda, por fim, louvar a vitória sobre a ameaça comunista e a República de excluídos que poderiam tomar o poder? Certamente que não, pois, como sabemos, a ameaça comunista no Brasil foi e é tão real quanto o Saci Pererê, a Mula Sem Cabeça ou um bolsominion inteligente.

Porém, infelizmente, esse aviltamento à nossa manchada história representa um ataque brutal e vergonhoso às lágrimas das mães que não tiveram sequer o direito de enterrar seus filhos assassinados, às crianças que sofreram por nunca mais verem seus pais, às cruzes sem nome que cortam a nossa terra e por uma triste memória ainda não cicatrizada, que só pode ser celebrada por ignaros, seviciadores ou ímpios.

Repudiamos esse ato que nada acrescenta para nosso País e nossa história.

Antonio Neto

Presidente da CSB

Compartilhe:

Leia mais
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano Nacional para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)
Nota das centrais selic
Centrais pedem redução dos juros: "por desenvolvimento com justiça social"
lula critica campos neto
Lula diz que Campos Neto tem lado político e trabalha para prejudicar o país
campos neto presidente bc
Procurador pede investigação sobre influência de bancos na definição dos juros pelo BC
Encontro CSB China
CSB promove encontros com entidades sindicais chinesas em SP e RJ; inscreva-se
CSB-RS conselho plano rio grande
Reconstrução do RS: CSB toma posse como membro do Conselho do Plano Rio Grande
distribuição extra fgts
Após acordo com centrais, governo fará distribuição extra do FGTS aos trabalhadores