No Senado, CSB conclama sindicalistas a lutar contra MPs que cortam direitos

Central participou de audiência pública que debateu o Projeto de Lei 4330/2004

Representantes das centrais sindicais se reuniram com o senador Paulo Paim (PT-RS), na manhã desta quinta-feira, 14 de maio, em audiência pública realizada na Comissão de Direitos Humanos do Senado para debater o Projeto de Lei 4330/2004, que regulamenta a prestação de serviço especializado, e as Medidas Provisórias 665 e 664, que alteram a concessão de direitos trabalhistas e previdenciários.

_MG_0001

Durante a audiência, a CSB conclamou os trabalhadores e os sindicalistas contra as MPs 665 e 664. “Toda vez que se fala em ajuste estrutural neste País, os trabalhadores são os mais afetados. Em todo ajuste é a mesma coisa. Se o governo federal quer produzir arrocho fiscal, que corte na carne dos poderosos . Nós, da Central, temos soluções para que o ajuste fiscal não atinja os trabalhadores. Uma das soluções é a taxação das grandes fortunas. Já existe na Constituição Federal um artigo que permite a tributação das grandes fortunas, mas precisa haver regulamentação. Também é necessário controlar a remessa de lucro das multinacionais”, afirmou. “Esta é a luta central no momento. Na sequência, vamos travar a batalha contra a terceirização no serviço público”, completou o dirigente da CSB.

No debate, Nogueira defendeu o aprimoramento do PL 4330/2004. “Em relação à terceirização, penso que não podemos demonizar a palavra em si, porque temos 12 milhões de brasileiros que estão nessa situação, e precisamos que o projeto seja aprimorado, pois esses brasileiros que trabalham terceirizados precisam estar protegidos. Não há regulamentação quanto a isso, porém o PL como está agora não pode ser aceito. Somos contra a terceirização no setor público e na atividade-fim”, disse.

O diretor explicou que a terceirização do setor público funciona como uma porta de entrada para a corrupção. “O funcionário terceirizado, quando chegar o período das eleições, se sentirá obrigado a votar no partido ou no político que contratou a empresa para qual ele trabalha. Além disso, a terceirização representa a precarização das condições de trabalho dos servidores. O Ministério do Trabalho não terá condições de fiscalizar situações análogas à escravidão no País se o projeto for aprovado liberando a prática para as atividades-fim”, destacou.

“A regularização da prestação de serviços deve garantir aos terceirizados condições de trabalho dignas, tais como a obrigatoriedade do conhecimento dos seus direitos e o impedimento de que essa forma de contratação seja instrumento de rotatividade excessiva e criminosa de mão obra. Criminosa porque grande parte deles não recebe os seus direitos, não é reconhecida naquilo que lhe é pertinente. Inclusive, a maior quantidade de ações sobre FGTS são de empresas terceirizadas”, argumentou Nogueira. “Estamos na luta pelos trabalhadores. Não aceitaremos qualquer corte nos direitos trabalhistas”, concluiu.

A audiência foi convocada por Paulo Paim a pedido do Fórum Sindical e das centrais sindicais. A CSB foi representada por Cosme Nogueira, dirigente da central, e pelo assessor parlamentar Ernesto Pereira. O presidente do Senado, Renan Calheiro (PMDB –AL), também esteve presente no debate.

Compartilhe:

Leia mais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)
Nota das centrais selic
Centrais pedem redução dos juros: "por desenvolvimento com justiça social"