MP da Liberdade Econômica: do sucateamento a barbárie

Sem cumprir a promessa de sanar os déficits econômicos do Brasil, a Reforma Trabalhista de 2017 pariu um filho ainda mais grotesco que atende pelo nome de Medida Provisória 881/91 ou MP da Liberdade Econômica. Apesar do nome bonito, o texto de autoria do deputado federal Jerônimo Goergen (PP/RJ) é extremamente problemático, e o veículo usado para a sua aprovação comprova isso.

Medida Provisória (MP) é um instrumento com força de lei adotado pelo presidente da República e tem efeitos imediatos, porém que precisa ser aprovada pelo Congresso para não perder a validade. No caso da 881/91, aplicada por Jair Bolsonaro e já aprovada pela Câmara, falta apenas a aprovação do Senado para vigorar permanentemente. Dessa forma, vemos o modo sorrateiro com que a proposta tramita pelo nosso Legislativo, imposta com enorme velocidade e distante do povo, deixando apática a opinião pública.

Mas por que se trata de uma medida tão problemática?

Além de passar por cima do Código Civil, da Consolidação das Leis Trabalho (CLT) e da Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro, modificando regras do direito civil, trabalhista, administrativo, empresarial etc., as suas medidas, a nível prático, são extremamente agressivas à rotina do trabalhador brasileiro.

Altera-se, por exemplo, os critérios de registro de ponto: enquanto a atual legislação obriga que empresas com no mínimo 20 funcionários tenham controle de ponto, a MP da Liberdade Econômica reduz esse número para 10. Isso facilita fraudes no pagamento da hora extra assim como favorece o descontrole do expediente, gerando não apenas menos dinheiro no bolso do trabalhador, mas também possibilitando jornadas de trabalho exaustivas.

Outra questão polêmica, é no que se refere ao domingo; a Legislação Trabalhista indica que apenas setores específicos podem trabalhar nesse dia, enquanto a 881/91 expande essa possibilidade para todas as categorias. O texto original chegava ao absurdo de propor apenas um dia de desconto a cada sete domingos. Reconhecendo o absurdo, o trabalhador terá “direito” a um dia de folga a cada quatro semanas.

Todavia a maior tragédia é o presidente Jair Bolsonaro colocando em prática seus anseios de legalizar o trabalho infantil. A CLT exige uma série de documentações para emitir uma carteira de trabalho; a MP da Liberdade Econômica derruba a necessidade de todos esses recursos.

Erro crasso

A ilusão de que a imposição de que um projeto neoliberal radical irá trazer alguma melhora as condições econômicas do Brasil é um erro crasso. O que está em curso é o sucateamento de nossas instituições, criando as condições que nos levarão a barbárie.

Escrito por Caio Simidzu 

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)