Molon sobre reforma administrativa: “O mito do inchaço do Estado brasileiro é uma fábula”

O deputado federal Alessandro Molon (PSB-RJ) disse em um debate sobre a reforma administrativa, realizado pela CSB, neste momento, que o suposto inchaço do Estado brasileiro é uma “fábula”. “O mito do inchaço do Estado brasileiro é uma fábula. O Brasil tem muito menos funcionários públicos do que precisa”, apontou Molon.

O parlamentar usou seu tempo de fala para lembrar da trajetória da doutrina econômica neoliberal, que trata o Estado como incapaz de gerir a si mesmo e que se popularizou no mundo nos últimos 50 anos, tendo Margareth Tatcher e Ronald Reagan como grandes defensores. “Na América do Sul, o neoliberalismo foi aplicado primeiro no Chile, em um governo militar do ditador Pinochet, pelos ‘Chicago Boys’. Um desastre”.

O deputado se mostrou contrário à reforma administrativa proposta pelo governo Bolsonaro. “Querem enfiar pela goela dos brasileiros essa ideia de que tudo que se precisa é a redução do Estado, cortar gastos, tratar o servidor como eterno culpado de todos os problemas brasileiros. E tentar mais uma vez atribuir à essas saídas a solução para os problemas brasileiros”, discordou.

“Milagres” econômicos

Alessandro Molon listou os “milagres econômicos” que foram prometidos a cada reforma feita no país nos últimos anos, como as reformas trabalhista e da previdência.

“Foi assim na PEC do teto de gastos, onde se disse que o país recuperaria sua credibilidade. Depois, ela não foi suficiente e foi feita a reforma trabalhista. Foram cortados empregos e os problemas não foram resolvidos. Depois foi a reforma da previdência. E qual foi o resultado disso? Nenhuma mudança na credibilidade do país. Os empregos não vieram”, lembrou.

“E agora é a reforma administrativa, a suposta solução para todos os males do país. Não é um bom caminho. Basta olhar para os outros países, inclusive aqueles que se quer copiar, para desmontar a falácia dessa agenda”, apontou.

Importância do serviço público

Alessandro Molon mencionou o SUS e sua estrutura como um exemplo de serviço público essencial para um país. “A capacidade de vacinação em massa do Brasil é de 3 milhões de doses por dia. Não é um milhão, como tem sido feito. É que não tem vacina, por incompetência do governo Bolsonaro”.

O parlamentar cobrou uma mudança na política fiscal do país em relação ao combate  às desigualdades. “No Brasil, os super ricos não pagam impostos e não querem pagar”.

Governo Dilma e o neoliberalismo

O ex-integrante do PT criticou a nomeação de Joaquim Levy após a reeleição de Dilma Rousseff, em 2014, tratando como uma cessão do PT ao neoliberalismo.

“O governo Dilma cedeu ao neoliberalismo e nomeou o Levy para comandar a economia contra aquilo que tinha defendido na campanha de 2014, inclusive quebrando a própria base de apoio eleitoral”, lembrou.

Fonte: Brasil Independente

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)