Ministro responsabiliza empresas por falta de projeto para proteger entregadores

O ministro do Trabalho e Emprego, Luiz Marinho, afirmou nesta quarta-feira (20) que o governo pretende reabrir a mesa de negociação entre entregadores e aplicativos para desenvolver um projeto de lei de regulamentação da atividade, conforme foi possível fazer para os motoristas. Segundo o ministro, a culpa pelo impasse no caso dos entregadores é integralmente das empresas.

“Inicialmente, as empresas de plataformas de entrega de mercadorias também concordaram com os conceitos, mas, na hora em que chegou na valoração desses conceitos, as plataformas de entrega acabaram praticamente rompendo esse processo de negociação. Então, não é culpa do governo, da bancada de trabalhadores. Responsabilizo integralmente as empresas de plataforma de entregas, elas precisam voltar à mesa”, disse em entrevista ao programa Bom Dia, Ministro.

Ele contou que as plataformas que intermediam as entregas não concordam com o patamar de contribuição previdenciária definido pelo governo, que ele diz ser “o mínimo aceitável”.

“Estabelecemos como um padrão mínimo aceitável do ponto de vista da sustentabilidade do sistema previdenciário brasileiro e também da proteção e remuneração ao trabalho. E é isso que está em discussão em relação a entregas”.

Acordo entre as partes

Marinho explicou que o governo instalou os grupos de trabalho entre trabalhadores e empresas para facilitar o processo de aprovação do projeto no Congresso, criado a partir da negociação entre as duas partes.

“Se o governo fizesse o projeto que achasse o mais perfeito, mas não houvesse diálogo com os trabalhadores e empregadores, seguramente haveria oposição deles no decorrer da tramitação desse projeto (dos motoristas) no Congresso Nacional e, portanto, dificuldade de aprovação. Espero que o Congresso tenha – e tenho certeza de que terá – a sensibilidade para avaliar a escuta das lideranças que participaram da mesa, trabalhadores e empregadores, para aprovar o projeto”, pontuou.

Projeto para os entregadores

Apesar do insucesso no caso dos entregadores, o ministro disse que a conversa será retomada e o governo ainda apresentará um projeto de proteção dos trabalhadores em todo o segmento de entrega.

“Vamos sim iniciar uma nova rodada de conversa com as empresas, vamos chamar, vamos fraquear essa possibilidade. Para ver se é tão real quanto eles têm falado que topam negociar”, concluiu o ministro.

A CSB participou dos dois Grupos de Trabalho que discutiram a regulamentação do trabalho de motoristas e entregadores em aplicativos. No caso dos aplicativos, a CSB é representada por Nicolas Souza, da Aliança Nacional dos Entregadores por Aplicativos (Anea).

Com informações de Agência Brasil

Foto: Ricardo Stucker/PR

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)