Marco Civil da internet cria ambiente mais seguro e livre ao usuário, afirma presidente do Sindicato de TI

A Câmara dos Deputados deve votar em 13 de novembro  o projeto

O projeto de lei cria regras para a rede de computadores, estabelece direitos dos usuários e deveres dos provedores de conexão. O presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Tecnologia da Informação do Estado de São Paulo (Sindpd), Antonio Neto, considera muito importante haver regras claras e objetivas quanto ao uso da internet. Ele avalia o PL como necessário para proporcionar mais segurança e liberdade de escolha ao usuário.

“Começamos a observar as discussões em torno da internet com mais urgência há pouco tempo. Mesmo a rede de computadores sendo algo relativamente novo, este é um projeto que existe há mais de dez anos. É imprescindível que um país tenha uma legislação que contemple a internet. Já caminhamos em relação aos cibercrimes. A proposta que reconhece esses tipos de delitos com punição própria foi aprovada e aguarda agora a sanção da presidenta Dilma. Em breve, teremos a legislação específica que inibirá a prática dos crimes virtuais. O Marco Civil é um projeto ainda maior que cria regras e limites na internet. Sem parâmetros claros, a sociedade e, principalmente, o usuário ficam desprotegidos. Uma proposta como essa, que abarca os princípios de garantia de liberdade de expressão, proteção da privacidade e dos dados pessoas e a neutralidade da rede, só pode ser considerada um avanço”, afirma Neto.

Uma das questões mais polêmicas do PL 2123/11 é com relação à neutralidade da rede. O que, segundo Neto, é uma questão necessária para assegurar um ambiente justo ao consumidor e competitivo às empresas.

“Lutamos para que a internet seja cada vez mais disseminada no Brasil. Para que ela alcance todos. Qualquer projeto que dê preferência a quem possui maior poder aquisitivo é contrário ao que defendemos. A internet precisa ser neutra. Limitar a velocidade, direcioná-la a sites que paguem para ter o serviço mais rápido, ou criar pacotes com diferentes preços aos consumidores, representa um retrocesso. Além de facilitar a prática de formação de cartéis e criar concorrência desleal entre as companhias do setor. E quem sai prejudicado é o consumidor. O usuário tem suas opções reduzidas e, indiretamente, é levado a acessar os portais que oferecessem maior velocidade”, ressalta.

Fonte: Jornal Dia Dia

Compartilhe:

Leia mais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)
Nota das centrais selic
Centrais pedem redução dos juros: "por desenvolvimento com justiça social"