lula-veta-projeto-que-prorrogava-desoneracao-da-folha

Lula veta projeto que prorrogava desoneração da folha; presidente da CSB reage

O presidente Lula vetou integralmente o projeto que prorrogava a desoneração da folha de pagamentos até 2027. O prazo final para sanção presidencial era esta quinta-feira, mas o Planalto optou peto veto a conselho do Ministério da Fazenda, informou a coluna Painel S.A. da Folha de S.Paulo.

A medida fazia uma substituição tributária na folha de pagamentos de 17 setores da economia. Apesar dos argumentos apresentados por esses setores da importância da desoneração para a manutenção e criação de empregos, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, convenceu o presidente de que o fim do benefício fiscal era essencial para a União cumprir as metas fiscais do próximo ano.

Segundo o projeto que estava em vigor desde 2012, os setores contemplados podem pagar alíquotas de 1% a 4,5% sobre a receita bruta, em vez de 20% sobre as folhas de pagamentos.

Por ano, o caixa da União deixava de arrecadar R$ 9,4 bilhões com essa desoneração. Já os defensores da medida alegam que, na verdade, não há perda e sim uma substituição tributária devido ao maior número de empregos e produtividade que o benefício gera.

Conforme informações da coluna, Haddad pontuou também que a reforma da Previdência aprovada durante o governo Bolsonaro impede a adoção de medidas que reduzam a arrecadação que financia as aposentadorias.

Reação

Em nota, o presidente da CSB, Antonio Neto, lamentou a decisão do presidente, falando em nome do Sindicato dos Trabalhadores de Tecnologia da Informação de São Paulo (Sindpd-SP), o qual também preside. O setor de T.I. é um dos que pode sofrer corte de vagas com o fim da desoneração.

Relacionada: Presidente da CSB pede sanção da desoneração da folha em reportagem na TV Globo

“A decisão vai na contramão dos anseios dos trabalhadores brasileiros, estimula demissões e a informalização do mercado de trabalho, impactando diretamente nos fundos dos trabalhadores (FGTS e FAT), na Previdência Social e na própria arrecadação”, diz a nota.

O sindicalista disse ainda que a decisão foi motivada por uma meta fiscal “irreal” e a solução está numa reforma tributária que enfrente verdadeiros privilégios.

“Em busca de uma meta fiscal irreal, o Governo estimula a precarização do mercado de trabalho e o fim do ciclo de redução do desemprego que vem sendo conduzido com sucesso pelo Ministério do Trabalho. A prioridade deve ser uma Reforma Tributária que enfrente os privilégios, o rentismo e as injustiças tributárias que seguem perpetuando”, acrescentou.

O Congresso anunciou que o veto deve ser derrubado.

Foto: Ricardo Stuckert/PR

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra