justica-condena-habibs-por-campanha-pelo-impeachment-de-dilma-400x255-1

Justiça condena Habib's por envolver funcionários em campanha pelo impeachment de Dilma

A Segunda Turma do Tribunal Superior do Trabalho (TST) condenou, nesta quarta-feira (13), a rede de fast food Habib’s, operada pela Alsaraiva Comércio Empreendimentos Imobiliários e Participações, ao pagamento de uma indenização de R$ 300 mil por dano moral coletivo. A decisão unânime veio após a empresa ser acusada de envolver seus empregados em uma campanha política contra o governo federal em 2016.

A campanha, intitulada “Fome de Mudança”, foi lançada em um contexto de manifestações nacionais que pediam o impeachment da então presidente Dilma Rousseff. Segundo o Sindicato dos Trabalhadores em Hotéis, Bares e Restaurantes e Similares de Águas de Lindóia e Região, a rede Habib’s adotou uma decoração temática nas cores verde e amarelo, com frases como “Quero meu país de volta” e “Não vou desistir do Brasil”, além de promover a hashtag “#todomundoseajudando” e distribuir adereços aos clientes.

A empresa defendeu-se alegando que a ação tinha como objetivo demonstrar patriotismo e não estava vinculada a nenhum partido político ou coligação. O presidente da rede afirmou que a intenção era apenas expressar o desejo de superação da crise nacional, participando dos protestos como um cidadão comum.

Em um comunicado do próprio presidente da empresa, ele diz que a ideia da manifestação em 13 de março de 2016 não era “apoiar partido A ou B”, mas mostrar patriotismo e por acreditar que somente os protestos poderiam acabar com a crise que o país atravessava. “Estarei lá como cidadão”, afirmou.

No entanto, o argumento de que a mobilização era apolítica não convenceu a ministra Maria Helena Mallmann, relatora do recurso no TST. Ela considerou que a campanha ostensiva de cunho político-partidário no ambiente de trabalho representou um abuso do poder diretivo da empresa.

Ela afirmou que o abuso não se deu pela imposição do uso de broches ou cartazes, mas por vincular ideologias político-partidárias aos trabalhadores do Habib’s, que eram obrigados a participar da campanha sendo ou não favoráveis ao impeachment da ex-presidente.

A ministra destacou que o empregador não pode impor suas convicções políticas aos empregados, infringindo a liberdade de orientação política, um direito assegurado pela Constituição e por convenções internacionais. “O poder diretivo do empregador não contempla a imposição de convicções políticas”, afirmou.

Apesar de o Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região e a 5ª Vara do Trabalho de Campinas terem julgado a ação contra a rede improcedente, o TST reconheceu a vinculação dos trabalhadores à campanha como uma coerção indireta, que vai além da necessidade de provas de abalo moral individual.

O valor da indenização por dano moral coletivo será destinado ao Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). A decisão ainda cabe recurso.

Leia também: Havan deverá indenizar todos seus funcionários por assédio eleitoral em 2018

Foto: reprodução Veja

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra