Entregadores e empresas não chegam a consenso no GT dos Apps; motoristas têm avanço

Realizada nesta terça-feira (12), a última reunião do Grupo de Trabalho dos Aplicativos terminou com um acordo entre motoristas e empresas, mas sem consenso entre entregadores e representantes dos apps de entrega.

Pela CSB, participaram do encontro o presidente nacional da central, Antonio Neto, e Nicolas Souza, da Aliança Nacional dos Entregadores por Aplicativos.

O prazo de encerramento do GT é nesta quarta (13), quando o presidente Lula deve receber o resultado das negociações na parte da tarde. Pela manhã, o subgrupo dos entregadores deve se reunir mais uma vez antes de finalizar o relatório.

Relacionada: Sem avanço no GT dos Apps, entregadores emitem alerta nacional de mobilização

O secretário nacional de Economia Popular e Solidária do Ministério do Trabalho, Gilberto Carvalho, não deu detalhes sobre o consenso a que se chegou no caso dos motoristas, mas disse que só se pode falar em acordo se o presidente chancelar.

“Houve um bom encaminhamento, uma aproximação muito grande. Estamos com uma boa perspectiva de que amanhã na conversa com o presidente Lula se acerte essa questão”, afirmou ao Poder360.

Já em relação aos entregadores de bens e alimentos, os representantes das empresas não mudaram o posicionamento desde a última reunião em que não houve acordo. Na ocasião, as plataformas apresentaram duas propostas de remuneração mínima: R$ 10,20 a R$ 12 para motociclistas, e R$ 6,54 e R$ 7 para ciclistas, por hora trabalhada.

No entanto, os motoboys pedem R$ 35,76 por hora logada na plataforma, levando em consideração os custos que têm para exercer a atividade, como combustível, smartphone, pacote de internet e equipamentos de segurança.

O levantamento dos custos e o cálculo da remuneração mínima foram feitos com o apoio do Dieese.

De acordo com Carvalho, se não se chegar a um consenso no grupo, o presidente Lula deve anunciar medidas para regulamentar o setor baseado nas informações do relatório do GT.

“Estamos preocupados porque os entregadores precisam desse acordo. É a área que tem mais acidentes, mais mortes, menos ganhos”, disse.

Antes da reunião desta terça, motoboys fizeram uma mobilização em frente ao Ministério do Trabalho, pressionando para que as empresas melhorassem os termos de suas propostas.

Se tudo permanecer inalterado, a categoria prometeu uma paralisação nacional na próxima segunda-feira, 18 de setembro.

Com informações de: Poder360 e Agência Brasil

Fotos 1 e 2: Imprensa CSB

Foto 3: Fabio Rodrigues-Pozzebon/Agência Brasil

Compartilhe:

Leia mais
mpt recomendação contadores contribuição sindicatos
Contador não pode incentivar oposição à contribuição sindical, orienta MPT
CSB no Forum Interconselhos 2024
Governo retoma Fórum Interconselhos com G20 Social e Plano Clima em foco; CSB participa
reuniões centrais sindicais 16 e 18 julho
Centrais realizam reuniões por região nos dias 16 e 18 de julho sobre agenda legislativa; participe
reunião CNT 10-7-24
CNT discute ação coordenada diante de transformações no mercado de trabalho
Ernesto e Álvaro CSN reunião Consea
CSB indicará nome para substituir Lino de Macedo no Conselho de Segurança Alimentar
protesto servidores Ipsemg 9-7-24
Em meio a protestos dos servidores, projeto sobre Ipsemg tem votação adiada
ministro do trabalho luiz marinho saqui aniversário fgts
Ministro do Trabalho quer fim do bloqueio do FGTS para quem optou por saque-aniversário
regra-nas-relacoes-de-trabalho-clemente-ganz-lucio
Clemente Ganz: Negociação coletiva e a estratégia de desenvolvimento produtivo
Projeto de lei motoristas em apps
Centrais sindicais criticam alterações em projeto de motoristas em apps
Protesto servidores Ipsemg
Sindicato dos Servidores do Ipsemg convoca para protesto contra projeto sobre o Instituto