Foto-com-a-Embaixadora-Regina-Maria-Cordeiro-Dunlop-representante-permanente-do-Brasil-na-ONU-em-Genebra-durante-a-recepcao-oferecida-a-delegacao-brasileira-h-e1433793955920

Embaixadora do Brasil na ONU discursa sobre a importância da agricultura familiar para o País

Regina Dunlop apresentou os programas do governo de incentivo ao desenvolvimento agrário na 104ª Conferência Internacional do Trabalho da OIT

A embaixadora Regina Dunlop, representante do Brasil junto à ONU em Genebra /  Suíça, discursou – na 104ª Conferência Internacional do Trabalho no âmbito da Comissão de Aplicação de Normas da Organização Internacional do Trabalho (OIT) – sobre o relatório “Dar voz aos trabalhadores rurais”, no qual são analisados os direitos de associação sindical dos trabalhadores rurais nos 185 países membros da Organização.

O relatório é elaborado pelo Comitê de Peritos da OIT, que publica anualmente um estudo geral sobre a legislação e a prática nos países membros da Organização Internacional do Trabalho sobre um tema escolhido pelo Conselho de Administração. O comitê analisa o impacto e os obstáculos das aplicações das convenções e recomendações da OIT em cada nação.

Regina destacou a importância da agricultura familiar para o Brasil. “Este setor é a uma espinha dorsal para a produção de alimentos e para a geração de emprego nas áreas rurais. Mais de 14 milhões de pessoas são empregadas neste setor, o que representa cerca de 74% das ocupações no campo, e é responsável pela produção de muitos dos alimentos mais importantes na nossa cesta”, diz.

Outro ponto tratado pela embaixadora foi a questão da inclusão produtiva. Para ela, nesse sentido, a agricultura continua a ser um dos principais pontos do Programa Brasil Sem Pobreza. “No seu âmbito de aplicação, o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), iniciado em 2003, visa assegurar uma demanda estável para os agricultores familiares, por meio de compras institucionais, muitas das quais são destinadas à alimentação escolar. Este programa mantém o emprego no campo e também contribuiu para uma alimentação saudável nas escolas”, afirma Regina.

No discurso, a embaixadora também enfatizou a importância do Plano Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável e Solidário (PNDRSS).  O documento aprovado em 2013 apresenta estratégias, iniciativas e metas para efetivar políticas do desenvolvimento  rural brasileiro, considerando o protagonismo das mulheres, da juventude rural e de povos e comunidades tradicionais.

“O Brasil tem adotado práticas que visam valorizar e dar voz aos trabalhadores rurais. Desde 2001, o diálogo social com as organizações de trabalhadores rurais é estruturado por órgãos próprios no âmbito do Governo Federal. Aprovamos o PNDRSS, que é resultado de um debate amplo e intenso entre os três níveis de governo e da sociedade durante a segunda Conferência Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável e Solidário”, afirmou a embaixadora.

Entre as iniciativas do PNDRSS estão a ampliação da oferta de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater) para a agricultura familiar e organizações econômicas; o desenvolvimento de planos específicos que contemplem os biomas brasileiros, em especial o Amazônico, com vistas ao fortalecimento do extrativismo; e a promoção do acesso à educação e qualificação profissional qualificada.

Segundo Regina, o PNDRSS traz metas, objetivos e iniciativas de desenvolvimento a curto, médio e longo prazo das áreas rurais do Brasil. “Este programa representa uma ferramenta estratégica para a participação no desenvolvimento rural nacional. O projeto está baseado em uma série de políticas sociais integradas que contribuem para o desenvolvimento social e agrário”, disse.

A embaixadora destacou três objetivos estratégicos do Plano:

– Assegurar o desenvolvimento socioeconômico e ambiental do Brasil rural e fortalecimento da agricultura familiar e agroecologia, com o crescimento da receita, produção e disponibilidade, e acesso aos alimentos saudáveis;

– A promoção de uma gestão social e participação na execução, monitoramento e avaliação de políticas públicas;

– Promover o empoderamento das mulheres por meio do acesso à terra e à segurança dos cidadãos, a organização da produção, gestão econômica e políticas de qualificação e serviços públicos.

Compartilhe:

Leia mais
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende fortalecimento dos sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas (RS) começam a negociar acordos em novo cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra
carteira vazia contas a pagar salário mínimo
Salário mínimo no BR é menos da metade do valor necessário para garantir vida digna
reajuste salarial TI Paraná
Trabalhadores de TI do Paraná terão 5% de aumento salarial; veja pisos de cada função
assembleia feserp mg
Feserp-MG convoca sindicatos para assembleia de reformulação do estatuto
instrutor de yoga entra na cbo
Ufólogo, instrutor de yoga e outras 17 ocupações são incluídas na CBO