Em estudo, OIT afirma que privatização da Previdência fracassou pelo mundo

Para entidade, reforço do seguro social público, associado a regimes solidários não contributivos, melhorou a sustentabilidade financeira dos sistemas de previdência

A Organização Internacional do Trabalho (OIT), em documento publicado em dezembro de 2018, demonstrou por meio de amplos estudos o baixo desempenho da previdência privada obrigatória em países da Europa Oriental e da América Latina. Após experiência vivida nesses países, a entidade afirmou que o experimento da privatização da previdência fracassou.

Segundo o documento “Reversão da Privatização de Previdência: Questões chaves”, que também serve de alerta para os governantes que buscam melhorar seus sistemas previdenciários, o reforço do seguro social, unido a regimes solidários não contributivos, melhorou a sustentabilidade financeira dos sistemas de previdência, além de melhorar o nível de prestação garantidas, o que permitiu às pessoas um melhor aproveitamento da aposentadoria.

De acordo com a publicação, de 1981 a 2014, 30 países (14 países da América latina e 14 da Europa do Leste e antiga União Soviética, e 2 da África) privatizaram total ou parcialmente seus sistemas de previdência social. Desses países, até 2018, 18 precisaram fazer uma re-reforma, revertendo a privatização, principalmente por conta das falhas do sistema, que se tornaram evidentes após a crise global de 2008.

Através dessas experiências fracassadas, a entidade também listou algumas lições aprendidas ao longo dos últimos trinta anos de privatizações. Entre elas estão a estagnação ou diminuição das taxas de cobertura, quando na verdade apoiadores argumentaram que haveria mais rentabilidade; as prestações previdenciárias se deterioraram, o que resultou no aumento da pobreza na velhice; aumento na desigualdade de gênero e de renda, onde pessoas de baixa renda ou que tiveram a vida profissional interrompida – por exemplo, por conta da maternidade – obtiveram poupanças muito reduzidas e consequentemente terminaram com aposentadorias muito baixas.

Além disso, o alto custo de transições criou pressões fiscais, uma vez que os valores foram subestimados. Os custos administrativos também são elevados, o que também geraram rendimentos e aposentadorias baixas. A concentração no setor privado, que, contrariando o argumento da geração de competição, causou a diminuição da concorrência.

No estudo, a OIT também garante que o beneficiário desta privatização foi o setor financeiro, muitas vezes grupos internacionais, o que gerou séria preocupação para o desenvolvimento nacional, uma vez que as reservas da previdência na fase acumulativa eram usadas para este fim.

O estudo demonstra, consequentemente, a complexidade de reverter esses sistemas privados e também nos lembra que a maioria das reformas foram realizadas com um diálogo muito limitado com a sociedade. Foram realizadas campanhas publicitárias na mídia para promover a previdência privada, muitas vezes patrocinada por fundos de pensão privados, com objetivo de diminuir a oposição pública.

Confira o estudo na íntegra.

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)