Em encontro com Guedes, governadores afirmam que Planalto gera crises políticas

 

 

Em reunião com governadores, nesta terça (26), o ministro Paulo Guedes (Economia) ouviu duras críticas à capacidade de organização e articulação do governo Jair Bolsonaro (PSL).

Políticos de diversos estados e partidos manifestaram dúvidas sobre a possibilidade de a reforma da Previdência ser aprovada nesse ambiente e apontaram o Palácio do Planalto como um gerador de crises.

O ministro, segundo relatos, silenciou sobre as críticas, mas defendeu enfática e permanentemente a necessidade das mudanças nas regras de aposentadoria.

Alguns governadores deixaram a reunião, em Brasília, antes de o encontro acabar.

Segundo relatos ouvidos pela reportagem, Guedes voltou a defender um novo pacto federativo, no que foi acompanhado pelos gestores estaduais, mas em seguida ouviu cobranças de que o governo precisa “organizar a casa e acabar com a crise política”. Até governadores alinhados a Bolsonaro, como Eduardo Leite (RS), manifestaram preocupação com o cenário atual.

Helder Barbalho, do Pará, disse, segundo colegas, que a sucessão de tropeços começa a “gerar um ambiente de desconfiança de que as coisas vão de fato acontecer”.

Guedes foi apoiado pelos políticos ao pontuar a necessidade da reforma, mas após a reunião alguns governadores disseram que o ministro parece ter se “rendido ao samba de uma nota só”, por ter condicionado a aceitação de demandas estaduais à aprovação do texto previdenciário.

Diante das dificuldades, os governadores passaram a defender pautas descoladas da Previdência e que possam resultar em aumento de receitas. Na avaliação de um dos governadores, os estados não podem ficar aguardando a reforma que representaria um fôlego financeiro para o futuro, e não para o presente.

Segundo o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), os governadores pediram a antecipação de recursos, como forma de estimular o ajuste nos estados.

Em troca, os estados cederiam à União participações em empresas públicas estaduais que tenham capital aberto (ações negociadas em bolsa).

Também pressionaram Guedes a vincular o apoio à reforma da Previdência à tramitação do projeto de lei da cessão onerosa, que autoriza a distribuição da verba obtida com o leilão de áreas do pré-sal para estados e municípios.

Guedes vinha argumentando que a partilha da cessão onerosa ocorresse após a aprovação da reforma, mas os governadores disseram que sem o gesto do governo federal não haveria clima político para mudar as regras do sistema de aposentadorias.

Fonte: Folha de S. Paulo

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)