Abre_IMG_1269

Dirigentes goianos debatem a importância das ações coletivas e do estatuto sindical em Congresso Estadual

Terceiro dia do evento em Goiás também abordou as consequências do assédio moral e a oratória como ferramenta de liderança sindical

Os debates continuaram intensos no terceiro dia do Congresso Estadual de Goiás, nesta quinta-feira (13). Delegados, observadores e convidados do evento tiveram a chance de discutir questões fundamentais relacionadas às ações coletivas, além da importância da parceria entre o Ministério Público do Trabalho e o movimento sindical.

Erlan Peixoto do Prado, procurador do Trabalho do DF, fez um paralelo destes assuntos com a reforma trabalhista aprovada pelo Senado no último dia 11. Prado argumentou que as ações coletivas, instrumento essencial para o trabalho das entidades na defesa dos trabalhadores, tendem a diminuir com a reforma.

“O orçamento do Ministério Público da União está caindo drasticamente. Há uma tentativa evidente de acabar com a Justiça do Trabalho e o movimento sindical”, alertou. Segundo o procurador, em relação ao papel dos sindicatos nas ações coletivas, a representação e a substituição processual são os dois processos existentes.

“Na representação processual, a entidade precisa ter o aval da categoria. Como exemplo, ele cita a ação reclamatória plúrima, na qual “sendo várias as reclamações e havendo identidade de matéria, poderão ser acumuladas num só processo se se tratarem de empregados da mesma empresa ou estabelecimento”.

O trabalho dos dirigentes sindicais tem papel fundamental no desenvolvimento da democracia, afirma o procurador do Trabalho do DF. “Não podemos nos ver como inimigos, e sim como amigos. Somos parceiros”, disse Erlan do Prado sobre a relação do MPT com o movimento sindical.

Após a reforma trabalhista, sindicatos precisam de ampla revisão dos estatutos

Com a sanção da reforma trabalhista, é importante que os sindicatos façam uma grande revisão de seus estatutos, apoiados por especialistas, e que seja amplamente discutido o estabelecimento de novas normas e parâmetros. Este alerta partiu de Francisco Gérson Marques, procurador Regional do Trabalho do Ceará, quando tratou do assunto no Congresso Estadual de Goiás. “A sociedade está de olho no movimento sindical, o capital está esperando um deslize, e o movimento sindical precisa fazer uma reflexão do que irá fazer daqui para frente”, avisou o professor da Universidade Federal do Ceará.

O estatuto sindical é um grande recurso para garantir o princípio da democracia, defendeu o procurador. “O estatuto é a constituição da entidade sindical, sua maior lei”, explicou. “A atuação dos sindicatos deve se pautar na categoria”, completa.  Marques detalhou que não só o estatuto, mas também as assembleias e a participação da categoria são expressões democráticas do movimento sindical que precisam ser intensificadas. “Aproveitem esses momentos para exercer a democracia durante a elaboração do estatuto e também para modificações, nas assembleias, eleições sindicais e na participação perante a entidade”.

O professor explicou ainda que, para criar um estatuto, há todo um ritual: convocação da categoria, realização da assembleia e elaboração da ata de redação do texto final. “Os ritos documentais são importantes e passam pelos registros cartorário e no Ministério do Trabalho. É preciso que tenha publicidade pelo cartório, impressão de exemplares e divulgação eletrônica”, apontou Gérson Marques.

Crise econômica agrava casos de assédio moral no trabalho

A crise econômica tem aumentado o número de casos de assédio moral no trabalho, e isso tende a se agravar diante das altas taxas de desemprego estrutural, intensificação do ritmo de trabalho, crescimento do trabalho temporário e de tempo parcial, concorrência acirrada e grande pressão por metas.

Esta é uma das análises que Clóvis Renato Costa Farias, professor universitário e especialista no tema, fez em sua apresentação.  Para o palestrante, num quadro de desemprego estrutural, os fenômenos sociais espelham um ambiente de trabalho pouco saudável. Com isso, é necessário que o sindicalista compreenda a complexidade dos casos de assédio moral e estimule a humanização no trabalho.

“Já vemos mais pessoas vivendo nas ruas e o crescimento de síndromes psíquicas em decorrência de casos de ambiente de trabalho”, disse. Farias citou, por exemplo, pressões nas empresas que levam ao alcoolismo e à drogadição. De acordo com a Organização Internacional do Trabalho (OIT), o assédio moral ou “risco invisível” já atingia 42% dos trabalhadores brasileiros em 2014. “A reforma trabalhista pode implicar em mais casos dessa natureza, já que estimula que o trabalhador seja avaliado pelo valor que é remunerado”, lamenta.

Costa Farias ponderou que não há como ignorar a cultura capitalista, na qual o sucesso está muito vinculado ao trabalho, que passa a ser a identidade da pessoa. Esse contexto já resulta numa situação muito difícil para o trabalhador deixar o posto no caso de sofrer um abuso como este, que muitas vezes acarreta em caos social, problemas financeiros e de ordem familiar e psíquico. Por isso, muita gente se submete à humilhação do assédio moral. “O assédio moral fere a dignidade humana. É assim que o Direito o vê”, esclarece.

O professor considerou que o papel dos líderes sindicais é o de oferecer uma perspectiva humana para os trabalhadores, que não vise ao lucro. A hierarquia não deve implicar que existam saberes maiores. Clóvis Rento citou o educador Paulo Freire, que afirmou que “não há saber maior ou menor, há saberes diferentes”. “Os líderes sindicalistas devem combater com ações, fazer mediações, revalorizar situações”, finaliza.

O poder da oralidade

Carlos Conce mesclou teoria e exercícios práticos com humor em sua palestra sobre oratória sindical. O mestre em comunicação pela UFRJ explicou que a comunicação eficaz tem o objetivo de “apresentar técnicas capazes de impulsionar a performance do líder sindical para influenciar pessoas e consequentemente manter e conquistar direitos”.

Conce fez a distinção entre habilidade intelectual e emocional. Quanto à primeira, lembrou que, para debater o assunto, é importante ter conhecimento de causa, estar bem informado.  Lembrou ainda que é importante ter conhecimento específico e também geral. Mas salientou que somente o intelectual não é suficiente.

O especialista explicou ainda que o medo de falar tem origem na autoestima e que o cérebro costuma jogar sentimentos negativos diante de um desafio. “O inconsciente está 99% nos criticando”, informou o especialista. “A preparação nos fortalece para o enfrentamento do medo. Para ser líder sindical, é preciso vencer o mundo e ter coragem para agir. Falar em público pressupões ter autoestima. O medo surge também por não conhecer o assunto, não conhecer a técnica, não ter experiência e nem autoconhecimento”, esclareceu Carlos Conce.

O mestre em comunicação explicou que técnicas específicas como respiração consciente, concentração nas ideias e elocução pausada ajudam na oratória. “Se você buscar o domínio das técnicas, você consegue ser um bom orador. Demonstre carinho e respeito ao público”, ensinou.

Nesta sexta-feira (14), será eleita a Diretoria da Seccional Goiás, encerrando o Congresso Estadual que acontece na capital Goiânia.

Veja a galeria de fotos

Clique aqui e leia a cobertura das palestras do dia 12

Acesse nos links abaixo os vídeos e as apresentações dos palestrantes do dia:

Erlan do Prado

Vídeo

Apresentação

Gérson Marques

Vídeo

Apresentação

Clóvis Renato Farias

Vídeo

Apresentação

Carlos Conce

Vídeo

Apresentação

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra