Taxa de desempregados há mais de 2 anos tem menor nível desde 2015; queda de 28%

O número de pessoas procurando emprego há pelo menos dois anos atingiu o menor patamar desde 2015 no terceiro trimestre de 2023. No período, 1,8 milhão de pessoas estavam em busca de trabalho há dois anos ou mais, uma queda de 28,2% em relação ao terceiro trimestre de 2022, quando havia 2,6 milhões de pessoas nessa categoria.

Os dados são da última Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), divulgada pelo IBGE nesta quarta-feira (22).

A pesquisa também registrou queda no desemprego, que fechou o período em 7,7%, o que representa uma queda de 0,4 ponto percentual em relação ao trimestre anterior e 1 ponto percentual na comparação com o mesmo período de 2022.

O resultado foi puxado pela redução do índice em São Paulo (7,8% para 7,1%), Maranhão (8,8% para 6,7%) e Acre (9,3% para 6,2%). Houve aumento apenas em Roraima (5,1% para 7,6%), enquanto os demais estados permaneceram estáveis.

Apesar da queda na desocupação, a informalidade continua atingindo 39,1% da população ocupada. O percentual de pessoas que trabalham por conta própria foi de 25,5%.

Carteira assinada

No período analisado, 73,8 % dos empregados do setor privado do país tinham carteira de trabalho assinada. O Norte (60,1%) e Nordeste (58,4%) registraram patamares inferiores aos das demais regiões.

Porém, entre os trabalhadores domésticos, apenas 24,7% tinham carteira de trabalho assinada no país, uma redução em relação ao mesmo trimestre do ano passado, quando essa proporção era de 25,3%.

Os maiores percentuais de empregados com carteira assinada no setor privado estavam em Santa Catarina (87,8%), Rio Grande do Sul (82,7%) e Paraná (80,9%) e os menores, no Maranhão (49,9%), Piauí (52,3%) e Tocantins (52,7%).

Comparações

Na comparação por gênero, a taxa de desocupação foi de 6,4% para os homens e de 9,3% para as mulheres.

Em relação à cor ou raça, a taxa entre os brancos ficou em 5,9%, enquanto entre os pretos foi de 9,6% e entre os pardos, de 8,9%.

Considerando-se o nível de instrução, a maior taxa de desocupação ficou entre as pessoas com ensino médio incompleto (13,5%). Para as pessoas com nível superior incompleto, o índice foi de 8,3%, enquanto a desocupação entre aqueles com nível superior completo foi de 3,5%.

Veja também: Empresários e sindicalistas temem desemprego sem prorrogação da desoneração

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)