CSB participa de Ato Público em defesa dos trabalhadores torturados pela ditadura

Evento organizado pelo Fórum de Trabalhadores por Verdade, Justiça e Reparação acontece em São Paulo

O Fórum de Trabalhadores por Verdade, Justiça e Reparação realizará, em parceria com a Secretaria Municipal de Direitos Humanos, no dia 11 de junho, um Ato Público para debater o balanço do trabalho das comissões, especialmente a Comissão Nacional da Verdade (CNV), além das próximas etapas da luta por justiça e reparação sobre a responsabilização dos civis colaboradores do golpe e da manutenção do regime militar.

O encontro tem o propósito de fazer um balanço sobre o trabalho da Comissão Nacional da Verdade e a perspectiva sobre a viabilidade de continuar o trabalho institucional e qualitativo por parte das entidades, comitês, sindicatos e comissões. Na ocasião, será divulgado um manifesto pela manutenção dos trabalhos das instituições.

A CNV criou o Grupo de Trabalho “Ditadura e Repressão aos Trabalhadores, Trabalhadoras e ao Movimento Sindical”, que tem atuado para que empresas como a Varig, Embraer, General Motors, entre outras, paguem por danos morais e materiais causados por eles aos trabalhadores no período de 1964 a 1985.

Uma das empresas investigadas é a Volkswagem, que costumava listar os próprios funcionários que eram contra o regime militar e os denunciava para o Departamento de Ordem Política e Social (DOPS). “Existem relatos de que os militares foram várias vezes até a sede da empresa em SP para prender empregados e torturá-los”, conta Ismael Antônio de Souza, representante da CSB no Grupo de Trabalho da Comissão da Verdade.

Segundo Ismael de Souza, o golpe foi claramente elaborado pelos empresários junto aos militares, pois – com esse plano – seriam rompidos todos os laços de associação, além de cercear a luta dos trabalhadores, desvalorizando também a mão de obra.

O representante faz ainda uma analogia ao afirmar que a Polícia Militar é remanescente da ditadura, porque, apesar de estar na função de auxilio e proteção ao cidadão, continua adotando o mesmo método repressivo de tortura, em alguns casos, dentro das delegacias.

Para Lucio Bellentani, ex-metalúrgico e representante da CSB, o relatório final entregue pela Comissão da Verdade não especificava que era um golpe civil militar. Por isso existe a necessidade de que ele seja apurado mais afundo. “Até hoje os sindicatos e trabalhadores ainda passam por retaliações por parte das empresas. Por esse motivo, o ato reivindica que a presidente Dilma Rousseff crie uma secretaria permanente para apuração dos fatos”, disse.

Serviço

Ato Público no Arquivo Histórico de São Paulo, próximo à estação do metrô Tiradentes

Horário: às 9h

Compartilhe:

Leia mais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)
Nota das centrais selic
Centrais pedem redução dos juros: "por desenvolvimento com justiça social"