8862889c-fe48-4d22-8eae-c13b7d4a42a6

CSB defende maior debate sobre a Reforma da Previdência

Em reunião com Rodrigo Maia, presidente da Câmara, centrais destacaram pontos fundamentais do projeto; Maia se mostrou disposto a ouvir as propostas do movimento sindical

Na tarde desta terça-feira (21), o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, recebeu os representantes da centrais sindicais para dialogar sobre a reforma da Previdência Social. A CSB foi representada no encontro por Flávio Werneck, vice-presidente, pelo secretário-geral Alvaro Egea e Cosme Nogueira, secretário de Formação Sindical. A Central dos Sindicatos Brasileiros defendeu o amplo diálogo entre o Congresso e a centrais sindicais quanto à PEC 287/16.

Na ocasião o porta voz da CSB foi o secretário-geral Alvaro Egea, que demonstrou preocupação com a celeridade que a proposta está tendo dentro do Congresso. “Com cinco sessões da Câmara já começam a entrar emendas, que muitas vezes não são de interesse do trabalhador. Queremos que o projeto seja amplamente debatido com o movimento sindical e a sociedade, pois essa reforma atinge a economia nacional e mexe com vida de todos os brasileiros. A PEC como está atualmente é inaceitável. Não vamos aceitar idade mínima, não iremos compactuar com a proposta de mudança de sistema previdenciário para os trabalhadores rurais”, afirmou.

As centrais entregaram uma cartilha para o presidente da Câmara que traz todas as consequências que reforma da Previdência irá trazer para os trabalhadores. O material elaborado pelas seis centrais sindicais reconhecidas recebeu o nome de “Nenhum Direito a Menos”, e, além de críticas ao projeto, apresenta soluções para as mudanças apresentadas pelo governo.

De acordo com Egea,  Rodrigo Maia se comprometeu a realizar duas audiências públicas para debater a PEC 287 e a levar as propostas do movimento sindical para o relator do projeto. “Nós vamos mobilizar os trabalhadores e continuar essa luta contra os retrocessos nos direitos trabalhistas. Dia 15 de março, no dia nacional de mobilização, queremos ver os trabalhadores unidos contra essa medida”, destacou o secretário-geral.

O vice-presidente da CSB, Flávio Werneck, se manifestou contra o item da PEC que propõe retirar da Constituição Federal o artigo que reconhece a atividade de risco dos profissionais de segurança pública nos critérios de concessão da aposentadoria. “Se essa reforma for aprovada, o Brasil para de reconhecer a atividade de risco na Constituição Federal como atividade nociva à saúde, colocando o profissional de segurança pública na regra geral de aposentadoria. Ao invés de 30 anos de contribuição, um policial federal, por exemplo, precisará de 49 anos de contribuição para ter 100% da média. Os policiais têm uma função diferenciada e de alto risco, por isso precisam ser tratados como diferenciados no momento da aposentadoria”, disse Werneck. Além disso, o dirigente também destacou que durante a reunião os dirigentes sindicais reivindicaram livre acesso aos plenários da Câmara.

“Essa reunião foi fundamental para discutirmos pontos essenciais na reforma da Previdência. Não adianta dizermos que não aceitamos a PEC 287, temos que dialogar a apresentar soluções. Temos que trabalhar em defesa dos trabalhadores, do crescimento econômico, desenvolvimento e da geração de emprego”, destacou o secretário de Formação Sindical Cosme Nogueira.

PEC 287

A Proposta de Emenda à Constituição 287  propõe extinguir a aposentadoria por tempo de contribuição; estabelecer uma idade mínima de 65 anos para o acesso ao benefício; equiparação de regras para homens e mulheres, trabalhadores urbanos e rurais, do setor público e privado; desvinculação de pensões e benefícios assistenciais do salário mínimo e proibição do acúmulo de aposentadorias e pensões.

Caso aprovada, a proposta também exigirá o mínimo de 25 anos de contribuição para trabalhadores do Regime Geral de Previdência Social (RGPS) e do Regime Próprio de Previdência Social (RPPS), o que corresponderá a 300 contribuições (atualmente, são necessárias 180 ou 15 anos de contribuição). De acordo o Dieese, “o forte enrijecimento da regra de acesso ao benefício não é [algo] trivial no mercado de trabalho brasileiro, em função da rotatividade, da informalidade e ilegalidade nas contratações, dos períodos de desempregos e das frequentes transições entre atividade e inatividade econômica”.

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra