Calculadora_-_ManuelH-iStock

Com novas regras, trabalhador chega a ter que contribuir por mais que o dobro do tempo para se aposentar

Simulações mostram como a reforma da Previdência, se aprovada pelo Congresso, mexe no seu bolso

Se a reforma da Previdência for aprovada da maneira como foi proposta, alguns trabalhadores precisarão contribuir por mais do que o dobro do tempo que seria necessário pelas regras atuais, para conseguir 100% do benefício. Simulações feitas a pedido de Época NEGÓCIOS mostram também que muitos dos brasileiros que quiserem obter o valor máximo de sua aposentadoria precisarão trabalhar até bem depois dos 65 anos.

Pelas regras propostas pelo governo, os trabalhadores precisam cumprir dois requisitos para se aposentar: alcançar a idade mínima de 65 anos e o tempo de contribuição de pelo menos 25 anos. No entanto, para conseguir 100% do benefício, o trabalhador precisará ter um tempo de contribuição de 49 anos. Isso acontece porque o cálculo do benefício será de 51% da média dos salários de contribuição mais um ponto porcentual por ano trabalhado. Ou seja, se um trabalhador cumprir o requisito mínimo de 25 anos de contribuição, se aposentará com 76% (51+25) da média de suas contribuições. Assim, para conseguir 100% do benefício, é preciso ter contribuído por 49 anos (51+49). Para alcançar esse tempo de contribuição aos 65 anos, o trabalhador precisaria ter começado a contribuir aos 16 anos.

Para Melissa Folmann, advogada especializada em direito previdenciário, a idade mínima de 65 anos é alta demais para a realidade brasileira. “No Brasil, temos dois cenários: o do trabalho braçal e o do trabalho intelectual”, afirma ela. Para os trabalhadores de serviço braçal, como pedreiros, carpinteiros e domésticas, as dificuldades de empregabilidade começam entre 45 e 50 anos, segundo ela. “O trabalhador perde a capacidade laboral plena e começa a tentar fazer outras atividades, no geral, mais precárias. São os famosos bicos para garantir o sustento”, afirma.

Do lado do trabalho intelectual, também há dificuldades para os trabalhadores se manterem empregados quando começam a envelhecer. Esses funcionários acabam ficando caros para a empresa, que muitas vezes optam por demiti-los. Nesse cenário, o profissional com mais de 50 anos tem dificuldade em conseguir outro emprego e manter a remuneração anterior. “Seja trabalho braçal ou intelectual, o mercado de trabalho brasileiro não consegue absorver com qualidade pessoas acima de 50 anos, o que dirá pessoas com 65 anos”, diz Melissa.

A situação piora quando se considera que são poucos os trabalhadores que com 65 anos terão os 49 anos de contribuição necessários para conseguir a totalidade do benefício. “A reforma precisa olhar a população como um todo, a média. Não pode olhar o médico ou o empresário bem-sucedido”, afirma a advogada.

Com base em simulações, Newton Conde, atuário especializado em previdência, comenta que “atualmente, usando o fator previdenciário, vemos que é bastante vantajoso para o trabalhador se aposentar aos 65 anos, mas nas novas regras não há esse benefício”.

Outra grande mudança trazida pela reforma da Previdência proposta pelo governo Temer é quanto ao cálculo da média salarial. Hoje, ele é feito pela média aritmética simples de 80% das maiores contribuições, ou seja, as menores são descartadas do cálculo, o que não ocorrerá mais.

EXEMPLO 1
Mulher, 35 anos
Até agora, contribuiu por 8 anos
Salário médio R$ 3.500
Quanto tempo ainda precisaria trabalhar para obter a aposentadoria integral pelas regras atuais?
+22 anos (aposentando-se aos 57 anos de idade)
E com a reforma?
+41 anos (76 anos de idade)
Quanto receberia ao completar os requisitos mínimos da nova regra (65 anos de idade e 25 anos de contribuição)?
R$ 2.848
Caso o fator previdenciário fosse usado, qual seria o valor do benefício ao se aposentar com 65 anos?
R$ 3.740

EXEMPLO 2
Homem, 48 anos
Até agora, contribuiu por 16 anos
Salário médio R$ 2.000
Quanto tempo ainda precisaria trabalhar para obter a aposentadoria integral pelas regras atuais?
+17 anos (aposentando-se aos 65 anos por idade)
E com a reforma?
+33 anos (81 anos de idade)
Quanto receberia ao completar os requisitos mínimos da nova regra (65 anos de idade e 25 anos de contribuição)?
R$ 1.536

EXEMPLO 3
Mulher, 25 anos
Até agora, contribuiu por 5 anos
Salário médio R$ 3.000
Quanto tempo ainda precisaria trabalhar para obter a aposentadoria integral pelas regras atuais?
+25 anos (aposentando-se aos 50 anos de idade)
E com a reforma?
+44 anos (69 anos de idade)
Quanto receberia ao completar os requisitos mínimos da nova regra (65 anos de idade e 25 anos de contribuição)?
R$ 2.634
Caso o fator previdenciário fosse usado, qual seria o valor do benefício ao se aposentar com 65 anos?
R$ 3.843

EXEMPLO 4
Homem, 53 anos (por ter mais de 50 anos, entra  na regra de transição)
Até agora, contribuiu por 31 anos
Salário médio R$ 1.500
Quanto tempo ainda precisaria trabalhar para obter a aposentadoria integral pelas regras atuais?
+4 anos (aposentando-se aos 57 anos de idade)
E com a reforma, considerando a fase de transição?
+6 anos (aposentando-se aos 59 anos de idade)
Qual o valor da aposentadoria pelas regras da reforma?
R$ 1.416
Caso o fator previdenciário fosse usado, qual seria o valor do benefício ao se aposentar com 65 anos?
R$ 1.830

EXEMPLO 5
Mulher, 44 anos
Até agora, contribuiu por 20 anos
Salário médio R$ 5.000
Quanto tempo ainda precisaria trabalhar para obter a aposentadoria integral pelas regras atuais?
+10 anos (aposentando-se aos 54 anos de idade)
E com a reforma?
+29 anos (73 anos de idade)
Quanto receberia ao completar os requisitos mínimos da nova regra (65 anos de idade e 25 anos de contribuição)?
R$ 4.206
Caso o fator previdenciário fosse usado, qual seria o valor do benefício ao se aposentar com 65 anos?
R$ 5.190 (teto)

Simulações feitas por Newton Conde, atuário especializado em previdência.

Fonte: Época NEGÓCIOS

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra