10003575_358407657631321_466139298_o-e1395091658465

CNV e movimento sindical apresentam documentos que comprovam participação de empresas na ditadura

Comissão Nacional da Verdade comprovou que empresas nacionais e multinacionais patrocinaram vídeos anticomunistas e até refeições para presos do Doi-Codi

O grupo de trabalho “Ditadura e Repressão aos Trabalhadores  e ao Movimento Sindical” da Comissão Nacional da Verdade (CNV) e o movimento sindical organizaram neste último sábado, dia 15, o seminário Como as empresas se beneficiaram e apoiaram a ditadura, na Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo. O encontro foi aberto ao público e debateu a participação civil no Golpe Militar de 1964.  Os pesquisadores Denise Assis, Jorge José de Melo, Pedro Campos e Marlon Weichert participaram do evento e apresentaram trabalhos que comprovam a participação de grupos privados no financiamento do golpe de estado e a perseguição que membros do movimento sindical sofreram dentro das empresas que trabalhavam.

A CSB esteve presente no evento com a participação do secretário-geral, Alvaro Egea. Para o dirigente, esse tipo evento é necessário, pois é aberto ao público e traz conscientização e informação. “Com trabalho dos pesquisadores conseguimos provas, e ficou evidente que o Golpe de 1964 foi planejado muito antes do que se pensava. Já na década de 1950 havia indícios de que a ditadura vinha sendo arquitetada por empresários e militares conservadores”, conta Egea.

A CNV agora tem documentos que provam que a ditadura teve participação dos empresários e da sociedade civil. Um exemplo disso são os documentos que comprovam que os presos que estavam no Doi-Codi recebiam alimentação financiada pela Ultragaz . “Essa relação entre os empresários e o governo militar coloca as maiores empresas brasileiras como criminosas. Elas patrocinaram a violência da ditadura. A união entre os setores civis e instituições contribuiu para a força do golpe”, avalia.

Investigação

Um dos objetivos do seminário é juntar e organizar os documentos das pesquisas que ajudarão nos processos da Comissão Nacional da Verdade. “O Brasil precisa ser passado a limpo, e não só os militares devem ser julgados, mas a sociedade civil que contribuiu de alguma forma para que a ditadura existisse também. Hoje, temos um conjunto de provas que mostram que os setores conservadores atuais têm fortes ligações com os empresários que patrocinaram o golpe. Esses ainda perpetuam aquele discurso de combater o comunismo, de evitar a igualdade social e de não combater a corrupção, por isso é necessário haver punições”, destacou o secretário-geral da CSB.

No seminário, uma das pesquisas apresentadas mostrou uma lista com mais de 120 filmes que eram divulgados no cinema e na televisão em forma de propagandas anticomunista, que exaltavam a democracia e os direitos humanos. Esses vídeos eram produzidos pelo Instituto de Pesquisa e Estudos Sociais (IPES) e tinham como objetivo convencer a sociedade de que um governo militar seria bom para o Brasil. “O IPES arrecadava fundos de multinacionais e de estatais. Novamente o setor civil contribuindo para o golpe de 64. Uma centena de empresas estava patrocinando os militares, comprando armamentos ou posteriormente patrocinando a repressão”, disse o dirigente.

Além disso, o movimento sindical denuncia há tempos que uma série de fábricas repassou dados de seus empregados ao regime. Os militares usaram as informações para prender, torturar e provocar a demissão de vários deles. Grevistas foram os principais alvos. A colaboração permitiu à ditadura combater as atividades sindicais com mais eficiência do que fez com qualquer outro grupo social. “Os setores de RH faziam listas com nomes de sindicalistas e grevistas delatava ao governo militar. O primeiro setor a sofrer as consequências do militarismo nacional foram os sindicatos. Nós fomos presos, torturados e os sindicatos fechados. Foi instaurado um governo de ‘feijão com arroz’ e os trabalhadores perderam espaço e direitos. Com isso, fica mais do que claro que o governo militar exercia uma política favorável aos patrões, o que também configura apoio dos empresários na ditadura”, revela Alvaro Egea.

Compartilhe:

Leia mais
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende fortalecimento dos sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas (RS) começam a negociar acordos em novo cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra
carteira vazia contas a pagar salário mínimo
Salário mínimo no BR é menos da metade do valor necessário para garantir vida digna
reajuste salarial TI Paraná
Trabalhadores de TI do Paraná terão 5% de aumento salarial; veja pisos de cada função
assembleia feserp mg
Feserp-MG convoca sindicatos para assembleia de reformulação do estatuto
instrutor de yoga entra na cbo
Ufólogo, instrutor de yoga e outras 17 ocupações são incluídas na CBO