foto12-e1372186378405

Centrais e MST convocam dia nacional de luta, greves e paralisações em 11 de julho

Presidente da CSB destaca importância da reconstrução da unidade das centrais para lutar por melhorias efetivas para o povo

Reunidas na manhã desta terça-feira (25), as centrais sindicais (CSB, CUT, CTB, Força, UGT, CSP/Conlutas, CGTB e NCST) e o MST decidiram organizar atos conjuntos – do movimento sindical e social – no próximo dia 11 de julho para cobrar a implementação da pauta trabalhista que defende a redução da jornada de trabalho, o fim do fator previdenciário, a regulamentação da terceirização, a reforma agrária e mais investimentos nos serviços públicos.

Esta foi a primeira reunião unificada de todas as centrais sindicais existentes no país desde o governo Lula. Além do calendário de manifestações, os dirigentes sindicais discutiram a pauta conjunta que será apresentada durante a reunião com a Presidenta Dilma Rousseff, amanhã, às 9h30, no Palácio do Planalto.

“Atualmente existe um movimento nítido da direita de usurpar o comando das manifestações populares que ocorreram no país, que são fruto da insatisfação latente do povo com a falta de respostas concretas das instituições públicas em todos os níveis. Temos agora que canalizar esta energia para que o Brasil avance efetivamente com a redução da jornada, com investimento de 10% do PIB em educação, com a melhoria do sistema de transporte coletivo, da saúde pública, com a regulamentação da terceirização, com o fim do fator previdenciário, entre outros pontos”, disse Antonio Neto.

foto

Ao fazer uma análise da situação do país, o presidente acrescentou que a falta de diálogo do governo com o movimento social contribuiu com o quadro atual. “Sejamos francos, o governo federal contribuiu em demasia para esta situação. Errou muito na articulação política, encerrou o diálogo com o movimento sindical e priorizou o diálogo e o favorecimento com os capitalistas que deram sustentação ao governo tucano.

O Ministério do Trabalho, interlocutor com o movimento sindical, foi esvaziado e o órgão responsável pela interlocução com os movimentos sociais deixou de priorizar a sua função. Enquanto isso, alguns setores da mídia potencializaram a criminalização do movimento sindical, colocando a reforma sindical no centro do debate e da solução dos problemas nacionais, promovendo a divisão de uma unidade que levou anos para ser construída”, disse.

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra