Câmara deve excluir alguns setores de alta de INSS sobre folha de pagamento

A Câmara pode excluir do aumento imediato de tributo alguns setores beneficiados pelo programa de desoneração da folha de pagamento

O aumento de alíquota foi proposto pelo governo, para elevar sua arrecadação e ajudar a cumprir a meta de superavit (receitas menos despesas) deste ano.

O texto enviado pelo Executivo elevava de uma só vez, ainda neste ano, a alíquota da contribuição previdenciária sobre o faturamento das empresas de 1% para 2,5% para o setor industrial e de 2% para 4,5% para serviços.

Congressistas, no entanto, ameaçavam suavizar a elevação de tributos e adiar a arrecadação para o próximo ano.

Pressionado pelo governo e diante da promessa de liberação de cargos, o relator do projeto de lei, deputado Leonardo Picciani (PMDB-RJ), recuou da decisão de propor um aumento gradual, o que ocorreria num período de três anos, e prometeu manter nesse ponto a proposta original do Palácio do Planalto.

O projeto do governo, porém, deve sofrer mudanças, com a exclusão de alguns setores e com efeito praticamente nulo neste ano.

O deputado disse nesta terça (19) que a tendência é prever o aumento integral das alíquotas a partir de dezembro deste ano, mas adiantou que vai preservar alguns setores como o de transportes, tecnologia da informação e comunicações, por serem intensivos em mão de obra.

Para essas áreas, ele pode manter o benefício integral da desoneração aprovado pela presidente Dilma no primeiro mandato ou taxá-los com uma alíquota maior de forma mais gradual.

O texto de Picciani irá à votação no plenário da Câmara nesta quarta (20).

Segundo o deputado, que é líder do PMDB, o governo se mostrou irredutível contra a proposta do gradualismo e ele, como relator, não está disposto a fazer um “cavalo de batalha”.

A proposta original reduziria a renúncia fiscal com a desoneração de R$ 25 bilhões por ano para R$ 12 bilhões a partir do ano que vem. Para este ano, a economia estimada era de R$ 5,35 bilhões, se a taxação maior entrasse em vigor em junho.

“Evidentemente que a ideia do governo era que o projeto saísse daqui como entrou, mas essa possibilidade não existe”, afirmou Picciani após reunião da bancada do PMDB com o ministro Joaquim Levy (Fazenda).

A decisão do relator irritou o setor industrial, que ter o aumento integral proposto pelo governo.

Empresários prometem pressionar os deputados na votação desta quarta.

O governo aguarda a votação do projeto da desoneração para definir o do corte no Orçamento deste ano.

Nesta terça, Dilma afirmou que fará “o contingenciamento necessário para que as contas públicas “entrem nos eixos”. Segundo a presidente, o corte não será “nem excessivo, nem flexível demais” e deve ficar entre R$ 70 bilhões e R$ 80 bilhões.

Fonte: Folha de São Paulo

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)