Brasil tem número recorde de trabalhadores informais, com 38,8 milhões

Trabalhadores informais – O número de trabalhadores sem carteira de trabalho assinada atingiu um recorde histórico em 2022, com 12,9 milhões de pessoas nesta situação, de acordo com dados divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).  

O número representa um aumento de 14,9% em relação a 2021, quando havia 11,2 milhões de trabalhadores nesta situação, e é o maior desde o início da série histórica da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua (Pnad), em 2012.

A informalidade também atingiu um recorde absoluto, com 38,8 milhões de trabalhadores informais em 2022.  

Enquanto isso, o número de pessoas que trabalham por conta própria, formais ou informais, atingiu 25,5 milhões em 2022, um aumento de 2,6% em relação ao ano anterior e de 27,3% em relação a 2012 – o menor patamar da série histórica.  

Melhorias no mercado de trabalho

Apesar disso, o mercado de trabalho apresentou algumas melhorias em relação a 2021. A população ocupada atingiu um recorde de 98 milhões de pessoas e a taxa de desocupação ficou em 9,3%, o menor índice desde 2015.

O número de trabalhadores com carteira assinada também aumentou em relação a 2021, embora em uma proporção menor do que aqueles sem carteira. 

Outro dado positivo é que a taxa de informalidade caiu de 40,1% em 2021 para 39,6% em 2022, indicando uma redução na proporção de trabalhadores informais em relação à população ocupada. 

“Diversas atividades ultrapassaram seu nível de ocupação pré-pandemia. É um ano de consolidação da recuperação do impacto que a pandemia da covid teve no mercado de trabalho brasileiro e mundial”, explicou a pesquisadora do IBGE Adriana Beringuy. 

O número médio anual de trabalhadores domésticos também aumentou em 2022, com um crescimento de 12,2% em relação ao ano anterior. 

Os setores do comércio e serviços foram os que mais influenciaram o mercado de trabalho em 2022, com destaque para o segmento de comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas, que cresceu 9,4%, e para os serviços de outros setores (17,8%) e alojamento e alimentação (15,8%).  

Por outro lado, o setor de agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura apresentou uma queda percentual na população ocupada. 

Subutilizados e desalentados

Embora a taxa de subutilização da força de trabalho tenha diminuído em relação a 2021, estimada em 20,8%, ainda está 54,7% acima do nível de 2014.  

A população subutilizada também apresentou uma redução de 23,2% em relação a 2021, mas o patamar ainda está elevado em comparação com anos anteriores. 

A população desalentada, que representa as pessoas que querem trabalhar, mas que desistiu de buscar emprego, apresentou uma queda de 19,9% em relação a 2021, com 4,3 milhões de pessoas nessa situação em 2022. 

Compartilhe:

Leia mais
CSB no Forum Interconselhos 2024
Governo retoma Fórum Interconselhos com G20 Social e Plano Clima em foco; CSB participa
reuniões centrais sindicais 16 e 18 julho
Centrais realizam reuniões por região nos dias 16 e 18 de julho sobre agenda legislativa; participe
reunião CNT 10-7-24
CNT discute ação coordenada diante de transformações no mercado de trabalho
Ernesto e Álvaro CSN reunião Consea
CSB indicará nome para substituir Lino de Macedo no Conselho de Segurança Alimentar
protesto servidores Ipsemg 9-7-24
Em meio a protestos dos servidores, projeto que altera regras do Ipsemg tem votação adiada
ministro do trabalho luiz marinho saqui aniversário fgts
Ministro do Trabalho quer fim do bloqueio do FGTS para quem optou por saque-aniversário
regra-nas-relacoes-de-trabalho-clemente-ganz-lucio
Clemente Ganz: Negociação coletiva e a estratégia de desenvolvimento produtivo
Projeto de lei motoristas em apps
Centrais sindicais criticam alterações em projeto de motoristas em apps
Protesto servidores Ipsemg
Sindicato dos Servidores do Ipsemg convoca para protesto contra projeto sobre o Instituto
Ministro Carlos Lupi e José Avelino Pereira Sinab CSB
Presidente do Sinab assume posto no Conselho Nacional de Previdência Social