Geracao-de-emprego

Brasil cria 1,1 milhão de vagas formais em 2012, 48,8% menos que em 2011

Região Sudeste lidera geração de vagas com carteira assinada em 2012, com 584 mil novos postos; Bahia foi o único Estado com redução de postos, segundo o MTE

BRASÍLIA – O Brasil gerou 1,148 milhão de postos de trabalho com carteira assinada no ano passado, o que representa uma queda de 48,8% em relação às vagas geradas em 2011, que foram de 2,242 milhões.

Mesmo com essa queda no ritmo de criação de novas vagas, o Ministério do Trabalho aponta que “a manutenção do crescimento do emprego formal em um patamar expressivo, embora sinalizando arrefecimento no seu ritmo de crescimento, contribuiu para a queda da taxa de desemprego no Brasil”.

Os dados foram divulgados nesta sexta-feira, 11, pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), com base nas informações da Relação Anual de Informações Sociais (Rais). A Rais amplia a divulgação já feita mensalmente com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).

Sudeste. A Região Sudeste liderou a geração de empregos formais em 2012, com 584,9 mil postos de trabalho.

Em seguida, aparece a Região Sul, com 227,3 mil postos. E em terceiro ficou o Centro-Oeste, com incremento de 144,0 mil postos. O quarto lugar foi ocupado pela região Nordeste, com 132,5 mil postos; e em último, o Norte, com geração de 59,4 mil postos de trabalho.

Na comparação com o resultado do ano anterior, o maior crescimento foi da Região Centro-Oeste, com 3,74%, seguida pelo Sul, com 2,88% e Sudeste, com 2,49%. Depois, aparecem Norte, com 2,32%, e Nordeste, com 1,56%.

Entre os Estados, o único que teve perda de vagas foi a Bahia, com redução de 9 mil postos. Segundo o governo o desempenho pode ser justificado pelo comportamento negativo da indústria de calçados, que suprimiu 7,1 mil postos de trabalho, e da administração pública, que reduziu 53,3 mil empregos. Nos outros Estados, houve elevação do emprego, com aumentos que variam entre 0,69%, em Sergipe, e 6,36%, no Piauí.

Setores. A administração pública e a agricultura apresentaram retração no nível de empregos no ano passado.

A administração pública teve redução de 166,2 mil postos de trabalho, uma queda de 1,83%. Esse resultado se deve, segundo o governo, principalmente ao desempenho negativo dos servidores não efetivos, área que teve queda de 351,8 mil postos de trabalho. Na Relação Anual de Informações Sociais (RAIS), publicada hoje, o ministério aponta que, no ano passado, houve eleições municipais, “o que pode ter contribuído, em parte, para o comportamento negativo no setor”.

A agricultura teve saldo negativo de 19,5 mil postos de trabalho, uma queda de 1,32%. O governo afirma, no documento, que o declínio pode ser creditado principalmente às atividades ligadas ao cultivo de laranja, que registrou uma queda de 15,7 mil postos de trabalho e ao cultivo da cana de açúcar, com a perda de 7,9 mil empregos.

Segundo o ministério, a expansão do emprego formal ocorreu em vários setores, com destaque para o crescimento de 12,06% no setor da Indústria Extrativa Mineral, que registrou o maior crescimento relativo de todos os setores da economia, seguido pelos setores dos serviços, que cresceu 5,17%, e o comércio, com 4,34%.

Como ocorreu em 2011, em 2012 o setor de serviços também liderou a geração de empregos em termos absolutos, com 794,9 mil postos de trabalho. No comércio, houve aumento de 383, 5 mil empregos.

Na construção civil, houve criação de 82,4 mil empregos, o que representa um crescimento de 3%. A taxa de crescimento, entretanto, desacelerou em relação ao ano anterior, quando foi de 9,62% e superou os outros setores da economia.

Fonte: O Estado de S. Paulo

Laís Alegretti – Agência Estado

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra