Avaliação de Bolsonaro piora entre os deputados e apoio à reforma da Previdência diminui, mostra pesquisa

Resultado ocorre em meio à queda no nível de aprovação do governo junto à sociedade e após episódio de acirramento nas relações entre o presidente e o parlamento

Em dois meses de legislatura, as avaliações negativas sobre o governo Jair Bolsonaro (PSL) já superam as positivas entre os deputados federais no exercício do mandato. É o que mostra pesquisa feita pela consultoria Arko Advice entre os dias 26 e 28 de março.

Segundo o levantamento, 28,43% dos parlamentares consideram a gestão positiva, a respectivamente. O resultado ocorre em meio à queda no nível de aprovação do governo junto à sociedade e após episódio de acirramento nas relações entre o presidente e o parlamento – “página virada”, nas palavras do presidente.

Gráfico I: Como o (a) Sr (a) avalia o governo de Jair Bolsonaro?

Deterioração também foi vista nas percepções sobre a relação entre Executivo e Legislativo. Para 60,55% dos parlamentares entrevistados, a relação é ruim ou péssima. Em fevereiro, o percentual era de apenas 17,4%. Já a avaliação positiva mergulhou de 60,55% para 12,84%.

Gráfico II: Como o (a) Sr (a) avalia a relação entre o Executivo e o Legislativo?

A pesquisa foi realizada com questionário estruturado e aplicado de forma presencial na Câmara dos Deputados e ouviu 109 parlamentares de 25 partidos políticos, respeitando o critério da proporcionalidade partidária. Todas as perguntas foram respondidas exclusivamente por deputados federais.

Outra má notícia para o governo aparece na posição dos deputados sobre a reforma da Previdência. O percentual que se diz favorável à proposta encaminhada há um mês recuou de 68,80% para 55,96%. Já os contrários saltaram de 23,85% para 33,94%.

O número é insuficiente para a aprovação do texto em plenário. Por se tratar de emenda constitucional, a medida precisa ser apoiada por ao menos 3/5 dos congressistas, em dois turnos de votação nas duas casas legislativas. Isso significa 308 votos na Câmara dos Deputados e 49 no Senado Federal.

Gráfico III: O (A) Sr (a) é a favor da Reforma da Previdência?

Entre os pontos específicos da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) da reforma, a maioria dos entrevistados é contra a idade mínima de 62 anos para mulheres e 65 anos para homens. A rejeição a esta regra cresceu de 39,5% para 52,29%.

Gráfico IV: O (A) Sr (a) concorda com a idade mínima para aposentadoria de 62 anos para mulheres e 65 anos para homens?

Dois dos temas mais polêmicos do projeto, o BPC (Benefício de Prestação Continuada), pago a idosos e deficientes de baixa renda, e as mudanças de regras para a concessão de aposentadorias rurais, são amplamente rejeitados pelos parlamentares: 76,14% e 75,22%, respectivamente.

Gráfico V: O (A) Sr (a) concorda com as mudanças propostas para o Benefício de Prestação Continuada (BPC)?

Gráfico VI: O (A) Sr (a) concorda com as mudanças propostas para a aposentadoria rural?

O projeto de lei que trata da previdência dos militares também não foi bem recebido pelos deputados. Para 59,64% dos entrevistados, o texto é ruim ou péssimo. O projeto prevê uma economia de R$ 10,45 bilhões em 10 anos – R$ 81,9 bilhões a menos do que o anteriormente previsto pela equipe econômica.

Gráfico VII: Como o (a) Sr (a) avalia o texto do projeto de lei que trata da aposentadoria dos militares?

Para 59,63% dos deputados ouvidos pela pesquisa, a reestruturação das carreiras dos militares contidas no projeto recém-apresentado é negativa.

Fonte: Infomoney

Compartilhe:

Leia mais
CSB no Forum Interconselhos 2024
Governo retoma Fórum Interconselhos com G20 Social e Plano Clima em foco; CSB participa
reuniões centrais sindicais 16 e 18 julho
Centrais realizam reuniões por região nos dias 16 e 18 de julho sobre agenda legislativa; participe
reunião CNT 10-7-24
CNT discute ação coordenada diante de transformações no mercado de trabalho
Ernesto e Álvaro CSN reunião Consea
CSB indicará nome para substituir Lino de Macedo no Conselho de Segurança Alimentar
protesto servidores Ipsemg 9-7-24
Em meio a protestos dos servidores, projeto que altera regras do Ipsemg tem votação adiada
ministro do trabalho luiz marinho saqui aniversário fgts
Ministro do Trabalho quer fim do bloqueio do FGTS para quem optou por saque-aniversário
regra-nas-relacoes-de-trabalho-clemente-ganz-lucio
Clemente Ganz: Negociação coletiva e a estratégia de desenvolvimento produtivo
Projeto de lei motoristas em apps
Centrais sindicais criticam alterações em projeto de motoristas em apps
Protesto servidores Ipsemg
Sindicato dos Servidores do Ipsemg convoca para protesto contra projeto sobre o Instituto
Ministro Carlos Lupi e José Avelino Pereira Sinab CSB
Presidente do Sinab assume posto no Conselho Nacional de Previdência Social