Auditoria Cidadã da Dívida e entidades promovem Consulta Nacional sobre as reformas do governo

Mais de 60 representações da sociedade civil participaram da elaboração da pesquisa

A Auditoria Cidadã da Dívida e mais de 60 entidades e movimentos sociais realizam, até o dia 30 de junho, uma Consulta Nacional para conhecer o posicionamento da população a respeito das reformas trabalhista e previdenciária e a auditoria da dívida. A CSB apoia a iniciativa.

De acordo com a Auditoria Cidadã, a ideia é promover “um processo democrático onde todos são chamados a opinar sobre o que pensam dessas alterações que retiraram das mãos do poder público a responsabilidade pela diminuição das desigualdades sociais, econômicas, regionais, priorizando o pagamento de juros e amortizações da dívida pública e privatizando setores essenciais à população”.

“Diante da contradição entre a realidade de abundância do nosso País, com todas as suas riquezas e potencialidades, e o cenário de escassez em que temos vivido com desemprego recorde, ataque aos direitos da classe trabalhadora, privatizações de riquezas e serviços essenciais – tudo isso para privilegiar ainda mais o pagamento dos juros aos bancos – é que surgiu a necessidade de ouvir a opinião da população que paga essa conta”, diz a entidade.

Ainda segundo a Auditoria, cerca de 42% dos gastos da União são voltados para o pagamento da dívida pública. Em 2015, ano em que se anunciava um déficit de R$ 85,8 bilhões na Previdência Social a dívida chegou a consumir R$ 962 bilhões do cofre nacional.

As reformas

Apresentadas em dezembro de 2016, as reformas previdenciária e trabalhista são caracterizadas pelas ameaças a direitos históricos da sociedade brasileira. Tramitando no Congresso como PEC 287/2016, a da Previdência Social pretende estabelecer uma idade mínima de aposentadoria de 65 anos para homens e 62 para mulheres; o acesso a 100% do benefício após 40 anos de contribuição; recolhimento de modo individual definido em lei para todos os trabalhadores rurais de economia familiar; fim da aposentadoria especial para profissionais da segurança pública e professores e equiparação de regras entre trabalhadores de empresas privadas e servidores

Já a trabalhista – Projeto de Lei da Câmara 38/2017 (antigo PL 6787/2016) – quer legalizar no País o trabalho intermitente, quando o trabalhador só recebe pelas horas ou minutos trabalhados e não por uma jornada contínua, mesmo que esteja há mais tempo à disposição do empregador; o consequente fim da carteira assinada, do FGTS e do 13º salário; a legitimação do acordado sobre o legislado; a precarização dos direitos dos trabalhadores do campo (também ameaçados pela legitimação do trabalho escravo contemporâneo caso o PL 6442/2016, do deputado Nilson Leitão (PSDB/MT), seja aprovado); que mulheres trabalhem em ambiente insalubre durante os períodos de gestação e aleitamento materno e ainda pretende acabar com a autonomia e independência da organização dos trabalhadores.

Interessados em participar da pesquisa, basta acessar http://consultanacional2017.com.br/ e responder a apenas cinco perguntas.

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)