WhatsApp-Image-2019-05-10-at-10.28.39

Antonio Neto reitera a importância do fortalecimento sindical diante do avanço do ultraliberalismo

Em palestra apresentada em Fortaleza, presidente da CSB alertou sobre mudanças necessárias nas entidades sindicais para gerar consciência política e capacidade de enfrentamento

 

O presidente da Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB), Antonio Neto, participou na manhã desta sexta-feira (10), na capital cearense, da sexta edição do Congresso Internacional de Direito Sindical. Em sua palestra intitulada “Os Desafios do Sindicalismo”, Neto falou aos participantes sobre a importância do fortalecimento das entidades sindicais em mundo que sofre com o avanço de um movimento ultraliberal ao redor do planeta, que gera miséria e trava o desenvolvimento.

O dirigente apresentou dados do Brasil e do mundo. Por aqui, mais de 13 milhões de desempregados e quase 40 milhões na informalidade no primeiro trimestre do ano. Em âmbito global, outra injustiça: os milionários eram somente 36 milhões de adultos, mas concentravam 45,9% da riqueza mundial, um montante de US$ 128,7 trilhões.

Apesar dessas dificuldades, segundo Neto, o movimento sindical ainda é o organismo capaz de gerar consciência política, de classe e de conserto social.  Para isso, o movimento precisa modernizar a forma de conversar com o trabalhador.

“Vamos ter que resistir. Luta e reconstrução financeira, não vai ser simples, mas não é impossível. Vamos ter que discutir com os trabalhadores e agora temos que mudar a forma de comunicação, temos que modernizar, e nisso entra toda a informática e outros recursos. Assim, você organiza os trabalhadores, mas não somente na consciência, mas também através do esporte, da cultura e do lazer.
Vamos ter que discutir com os trabalhadores o que vale na convenção coletiva, vamos ter que orientá-los que acabando a convenção, acabam-se os direitos, pois não tem ultratividade na convenção coletiva. Os trabalhadores precisam ter consciência de que as conquistas terminam quando acaba a data-base e é necessário negociar tudo de novo”, disse o presidente da CSB.

Neto também acredita que os sindicatos terão que ampliar a atuação para representar os desempregados e os estudantes, fazendo, assim, uma correlação de forças. Ainda durante a palestra, Neto abordou o desemprego no Brasil e a crise econômica, que levou milhares de brasileiros à uberização da mão de obra.

“Você não tem desenvolvimento e não tem emprego, o que acontece com a economia? Hoje, temos como reflexo 63 milhões de brasileiros que estão com o nome no SPC. De 2013 a 2016 fecharam no Brasil 341 mil empresas e a maioria das empresas fecha a porta após cinco anos. Com isso, chega a uberização do trabalho, que veio com uma grande euforia no mundo. Vai fechando a indústria, serviços e o comércio, sem saber o que fazer, o trabalhador pega seu carro e vai ser escravo da Uber, mandar 25% da sua receita, sem que a Uber pague nenhum tributo para o Brasil”, explicou Neto, alertando para o fato de que a industrialização está no seu menor patamar da história.

O futuro do trabalho e a robotização também foram abordados durante a palestra. Neto mostrou oranking das profissões que devem acabar por conta automatização em diversas áreas, como arquivistas, estatísticos, bibliotecários, taxistas, garçons e juízes.

O Congresso organizado pela Excola, que começou nesta quinta-feira (9) e vai até o final desta sexta (10), também abordou temas que envolvem  negociação coletiva, futuro da advocacia trabalhista e sindical, além de mercado de trabalho e reorganização sindical, entre outros.

Confira a palestra de Antonio Neto, na íntegra, no Facebook da Central

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra