Conquista sindical: quase 80% dos reajustes salariais em 2023 foram acima da inflação

Quase 80% dos reajustes salariais concedidos no ano passado ficaram acima da inflação, apontam dados divulgados nesta quinta-feira (18) pelo Dieese. Segundo o Departamento, 77% dos reajustes foram acima do INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), que fechou 2023 acumulado em 3,71%. Outros 17,3% dos salários foram reajustados de acordo com a inflação e 5,7% ficaram abaixo. Na média, o aumento real dos salários foi de 1,11%

Os dados foram obtidos a partir da análise de 19.531 reajustes. Neste meio, a indústria teve o maior destaque, com 82,2% das negociações do setor resultando em aumento real. Em seguida aparecem serviços (79%) e comércio (56,4%).

O setor que mais apresentou reajustes menores que a inflação foi o de serviços, com 6.7% das negociações fechadas abaixo do INPC. Na indústria, estes casos foram 4,8% e no comércio, 4,9%.

Os reajustes para todos que ganham acima de um salário mínimo são fruto de negociação entre o sindicato dos trabalhadores e o patronal de cada categoria na Convenção Coletiva de Trabalho ou entre sindicato e empresa no Acordo Coletivo.

Veja: Sintracom de Lagoa Vermelha (RS) conquista reajuste salarial de 7% para a categoria

No ano passado, os aumentos reais foram mais frequentes entre os acordos coletivos (78,9%) do que entre as convenções coletivas (72,7%), embora entre os primeiros também se verifique maior regularidade de resultados abaixo do INPC do que nas convenções (6% e 5,1%, respectivamente).

Por região geográfica, os maiores ganhos acima da inflação ficaram no Sudeste (81,2%), seguidos por Centro-Oeste (78,8%), Sul (74,3%), Norte (72,5%) e Nordeste (70,9%).

O valor médio do piso salarial foi de R$ 1.651,57, de acordo com 19.551 pisos analisados pelo Dieese. O maior piso médio foi o do setor de serviços (R$ 1.689,35) e o menor, do setor rural (R$ 1.564,85).

No entanto, a indústria se destaca quando se analisa o piso mediano, índice apontado pelo Dieese como um retrato mais fiel da distribuição dos pisos por não sofrer a influência dos extremos. Neste caso, a indústria registrou o maior valor, com R$ 1.587, enquanto o setor de serviços teve piso mediano de R$ 1.528,96.

Leia também: “Proposta patronal de VR não paga um combo do Big Mac”, diz presidente do Sindpd-SP

 

Compartilhe:

Leia mais
CSB no Forum Interconselhos 2024
Governo retoma Fórum Interconselhos com G20 Social e Plano Clima em foco; CSB participa
reuniões centrais sindicais 16 e 18 julho
Centrais realizam reuniões por região nos dias 16 e 18 de julho sobre agenda legislativa; participe
reunião CNT 10-7-24
CNT discute ação coordenada diante de transformações no mercado de trabalho
Ernesto e Álvaro CSN reunião Consea
CSB indicará nome para substituir Lino de Macedo no Conselho de Segurança Alimentar
protesto servidores Ipsemg 9-7-24
Em meio a protestos dos servidores, projeto que altera regras do Ipsemg tem votação adiada
ministro do trabalho luiz marinho saqui aniversário fgts
Ministro do Trabalho quer fim do bloqueio do FGTS para quem optou por saque-aniversário
regra-nas-relacoes-de-trabalho-clemente-ganz-lucio
Clemente Ganz: Negociação coletiva e a estratégia de desenvolvimento produtivo
Projeto de lei motoristas em apps
Centrais sindicais criticam alterações em projeto de motoristas em apps
Protesto servidores Ipsemg
Sindicato dos Servidores do Ipsemg convoca para protesto contra projeto sobre o Instituto
Ministro Carlos Lupi e José Avelino Pereira Sinab CSB
Presidente do Sinab assume posto no Conselho Nacional de Previdência Social