25 de Maio: Dia da Costureira

CSB homenageia categoria que movimenta mais de R$ 4 bilhões por ano na economia nacional

No Brasil, há 1,3 milhão de profissionais da costura que celebram o Dia da Costureiraem 25 de maio ‑ de acordo com dados da Associação Brasileira do Vestuário (Abravest). Cerca de 87% são mulheres e 78% possuem, apenas, o ensino fundamental.  Em todo o País essa categoria movimenta anualmente cerca de R$ 4,5 bilhões, o que significa cerca de 5% do faturamento total do setor de vestuário em geral, que hoje ultrapassa os R$ 90 bilhões, segundo a Abravest. Esses profissionais estão concentrados em São Paulo, Paraná, Minas Gerais, Goiás e Pernambuco, onde há a maior informalidade, principalmente nos polos industriais e comerciais  do Recife.

Segundo Alvaro Egea, presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Confecção e de Vestuário de Guarulhos (Sindvestuário de Guarulhos) e secretário-geral da CSB, a categoria é uma das que mais sofre com a precarização do trabalho. “O setor do vestuário é o que mais emprega pessoas com menor qualificação, só perde para a construção civil. As costureiras são o motor das confecções. No entanto, muitas empresas têm fechado ou permanecido na ilegalidade devido às importações. Tudo isso prejudica as trabalhadoras, que têm seus direitos achatados e os salários reduzidos. A maioria dessas profissionais são chefes de família, por isso é necessário que haja um maior zelo e cuidado com a categoria. É  preciso criar uma política de valorização da indústria nacional”, explica.

Por ano, o Brasil consome quase nove bilhões de peças de vestuário, sendo que 15% (aproximadamente 1,4 bilhão) são importados. Desse percentual, 66% vêm da China, 15% de Hong-kong e 12% da Índia e outros países – dados do relatório de importações de 2013 da Fundação Getúlio Vargas (FGV). “Se esse um bilhão de roupas fossem produzidos no Brasil, haveriamais vagas, pois o setor do vestuário é uma industria completa. Cria-se, assim, uma  uma cadeia de contratações. Isso faz a economia de todo o Brasil se movimentar”, avalia o dirigente.

Para  Marilene Guedes, presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Confecção de Roupas de Barueri e Região, a categoria é fundamental para o desenvolvimento econômico nacional. “Os conhecidos polos de confecção são grandes geradores de emprego para o setor do vestuário e também para a agricultura, já que para produzir o tecido ‑ que é a matéria prima da costureira ‑, é preciso do algodão, da seda e de outras fibras naturais”, destaca.

A presidente reforça que a luta pela defesa dos direitos da categoria é uma das principais bandeiras da CSB e dos sindicatos. “As nossas principais reivindicações para este ano são o reajuste salarial de 7,5%,  auxílio-alimentação de R$ 150,00, auxílio-creche de R$ 350 e PLR de, no mínimo, R$ 280. Já conquistamos muitos benefícios, mas não vamos deixar de lutar pela manutenção e por melhorias. Também é necessário que as empresas respeitem as normas da segurança do trabalho que protegem a ergonomia da trabalhadora”, afirma Marilene.

História da profissão

A costura é uma  atividade tão presente na humanidade, que se torna difícil precisar, exatamente, o seu início. Os primeiros registros de instrumentos usados como agulhas (que, na época, eram feitos de ossos e marfim) foi há mais de 30 mil anos. A tecelagem (técnica de entrelaçar fios transversalmente e longitudinalmente, de forma a se obter tecidos) também remete a tempos longínquos: mais de cinco mil anos atrás.

A profissão, que atualmente é dominada pelas mulheres, por muitos séculos era predominantemente masculina. Até o século  17,  as costureiras só podiam retocar e ajustar peças para alfaiates e camiseiros. Em 1865, a Inglaterra foi o primeiro país a reconhecer o trabalho das costureiras, entretanto elas não podiam ter seu próprio atelier. Com a revolução industrial veio a padronização da costura. A partir desse momento,  toda a sociedade recorria às costureiras para fazer algo diferente do que era produzido até então no mercado.

A primeira máquina de costura a ser feita e patenteada foi idealizada para trabalhar com couro. O detentor da invenção foi Thomas Saint, em 1790. Essa máquina, na verdade, era usada para costurar calçados. A primeira máquina de costura em nível industrial e dedicada ao vestuário foi a do alfaiate francês Barthelemy Thimmonier, em 1830. Este equipamento deu início à costura industrial, que promoveu uma competição desigual com os artesãos.

 

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)