mobilizacao-da-csb-rs-e-sindicatos-para-ajudar-vitimas-das-enchentes

Mobilização da CSB-RS e sindicatos pelas vítimas das enchentes segue a todo vapor

Sem previsão de quando as águas das enchentes no Rio Grande do Sul devem finalmente baixar, a CSB-RS e seus sindicatos seguem mobilizados para atender a população, apesar de muitos sindicalistas terem também sido diretamente afetados pelo desastre.

A sede campestre do Sindef, na cidade de Alvorada, foi transformada em abrigo e centro de concentração de doações há uma semana. Desde então, milhares de pessoas já foram atendidas tanto no local, quanto em comunidades na região, onde os sindicalistas levam comida e outras doações. Cerca de 45 membros da CSB e do Sindef trabalham na força-tarefa.

Cerca de 40 cães também foram acolhidos e estão abrigados em local separado. Além disso, a sede tem sido muito procurada pela população para fornecimento de água potável, retirada de uma bica no local. Água potável é uma das grandes necessidades até mesmo entre aqueles que não tiveram suas casas inundadas, uma vez que a rede de tratamento e distribuição de água também foi danificada pelas enchentes.

Fornecimento de água potável e presidente do Sindef, Jonata Lopes, com cães resgatados

O centro conta ainda com uma unidade móvel de saúde, deslocada até ali por meio da articulação do vereador Alexandre Espeto, que é oriundo do movimento sindical da classe dos rodoviários do município.

“Nossos dirigentes e militantes estão presentes em Porto Alegre, Canoas, Alvorada, Guaíba e em muitas outras localidades, atuando anonimamente junto com as Defesas Civis locais. Estamos obtendo água em grande quantidade para entregar nas cidades atingidas”, contou o presidente da CSB-RS, Sergio Arnoud.

Em Caxias do Sul, os sindicatos dos rodoviários e dos metalúrgicos arrecadaram uma grande quantidade de doações que foram destinadas especialmente à São Leopoldo, uma das cidades próximas mais severamente destruídas pela tragédia.

Saiba mais sobre os abrigos dos sindicatos e como ajudar também.

A mobilização ocorre apesar de os sindicatos e seus membros também estarem sofrendo com as enchentes. O Sindimarceneiros de Porto Alegre e Região disponibilizou sua colônia de férias em Imbé para acolher os desabrigados, porém a sede do sindicato na capital do estado também foi arrasada, sobrando apenas algumas cadeiras.

Já em Guaíba, a própria presidente do Sindicato dos Municipários (Sindiguaíba), Taís Motta, teve sua casa destruída e está abrigada na sede da entidade, a qual ela abriu as portas para acolher outras vítimas.

Compartilhe:

Leia mais
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende fortalecimento dos sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas (RS) começam a negociar acordos em novo cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra
carteira vazia contas a pagar salário mínimo
Salário mínimo no BR é menos da metade do valor necessário para garantir vida digna
reajuste salarial TI Paraná
Trabalhadores de TI do Paraná terão 5% de aumento salarial; veja pisos de cada função
assembleia feserp mg
Feserp-MG convoca sindicatos para assembleia de reformulação do estatuto
instrutor de yoga entra na cbo
Ufólogo, instrutor de yoga e outras 17 ocupações são incluídas na CBO