CSB RS defende unicidade sindical e debate registros sindicais no Ministério do Trabalho

Regional falou sobre os temas durante explanação no Tribunal Regional do Trabalho do Rio Grande do Sul

A CSB RS participou, nesta quarta-feira (13), da primeira explanação do Tribunal Regional do Trabalho do Rio Grande do Sul (TRT/RS) sobre os procedimentos de registro das entidades sindicais no Ministério do Trabalho e alterações de bases de representação. Na ocasião, autoridades administrativas do Ministério e representantes das entidades patronais e laborais se reuniram para debater o tema, que ficou em segundo plano de acordo com o secretário-geral da Seccional gaúcha.

Presente ao encontro, segundo Adriano Porto, o debate a respeito da não-homologação de algumas Convenções Coletivas de Trabalho consideradas fora dos padrões pela Superintendência Regional do Trabalho e Emprego do estado (Srte/RS) tomou o lugar da pauta original.

“Essa discussão era para falarmos sobre o sistema de registro do Ministério com o TRT e os desembargadores. Mas, infelizmente, 90% dos participantes eram advogados trabalhistas de sindicatos e federações patronais e desviaram este assunto tão importante. Foi uma batalha para retomarmos o assunto, o que não aconteceu. O que tiramos de positivo desse debate é que a CSB conseguiu mostrar sua força e sua coerência com relação aos trâmites legais de registro sindical perante o Tribunal e a Superintendência”, relata Porto.

Ainda de acordo com o dirigente, o evento seria um momento histórico para o movimento sindical gaúcho, já que era a primeira vez que o assunto seria debatido junto às organizações de trabalhadores e empresas – oportunidade jogada fora pela postura das entidades patronais.

“Estávamos vivenciando a ampliação do diálogo sobre o tema. Algo muito importante aos trabalhadores, porque atualizar os registros já existentes dos sindicatos e lançar novos registros fortalece o movimento sindical. São os registros que tornam o movimento legítimo, pois o Ministério impede a criação de ‘sindicatos de gaveta’, fraudes, e dá credibilidade às entidades reais, atuantes. Só que, infelizmente, o assunto foi desviado”, explica.

A respeito do assunto de fato debatido durante o encontro entre as entidades, Adriano Porto afirma que a parte técnica das portarias e normativas devem ser respeitadas pelos sindicatos. Além disso, o dirigente acredita que a Superintendência do Trabalho precisa ser vista como parceira do movimento, e não adversária.

“A Superintendência do Rio Grande do Sul é a que faz o trabalho mais diferenciado em todo o Brasil. É a única que trabalha justamente a parte técnica. Porque se tem um sistema do Ministério que dá legitimidade às Convenções, para o documento ser legítimo, ele tem de estar dentro do que diz as portarias em prol dos direitos dos trabalhadores. E o nosso estado necessita investir na unicidade sindical”, avalia Porto.

No dia da explanação, também estiveram presentes no TRT a presidente da CSB RS, Eliane Gerber, e membros da diretoria do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias do Vestuário de Porto Alegre (STIVEST) e da Federação dos Municipários do Estado do Rio Grande do Sul (FEMERS).

Compartilhe:

Leia mais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)
Nota das centrais selic
Centrais pedem redução dos juros: "por desenvolvimento com justiça social"