metalurgia_shutterstock_997931-e1437761384859

CSB condena demissão em massa dos funcionários da Volkswagen

Em nota, Central dos Sindicatos Brasileiros defende a luta dos metalúrgicos e critica o abuso das montadoras

Após a demissão de mais de 800 trabalhadores da Volkswagen, em São Bernardo do Campo (SP), realizada por meio de telegrama, o presidente da Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB), Antonio Neto, expôs em nota o desrespeito da montadora com os metalúrgicos e o prejuízo que este processo causa ao País.

Para o dirigente, as estratégias da multinacional em busca de benefícios fiscais pode gerar um grave déficit econômico para o Brasil. “Conclamamos o governo, a sociedade e, sobretudo, o movimento sindical a dar um basta nesta chantagem”, disse Antonio Neto na nota.

A Volkswagen rompeu o acordo coletivo estabelecido em 2012 com o Sindicato, que teria vigência até 2016. A alegação dada em nota enviada à imprensa pela companhia é de que, após anos de crescimento, a perspectiva para a indústria automobilística era positiva, mas que, apesar do crescimento global do Grupo, houve retração na América do Sul. Na análise da CSB, esta justificativa não é recente e vem sendo aplicada há anos pelas montadoras. A Central argumenta ainda que, ao enviarem bilhões de dólares em remessa de lucros para o exterior, as empresas, na verdade, fazem chantagem com o governo para obterem mais benefícios, em detrimento da valorização dos profissionais que nelas atuam.

Confira abaixo a nota de repúdio à ação da multinacional, divulgada pela Central dos Sindicatos Brasileiros.

Todo apoio aos metalúrgicos da Volks!

Brasil não deve se submeter mais uma vez à chantagem das montadoras

Após remeterem, nos últimos cinco anos, mais de US$ 16 bilhões de lucros e dividendos para o exterior, levando em conta somente os registros oficiais do BC, as montadoras instaladas no País iniciaram mais uma onda de chantagem contra o governo, a fim de obter novos benefícios fiscais do Estado.

Desrespeitando, inclusive, um acordo de estabilidade até 2016, a Volks de São Bernardo do Campo anunciou, na última segunda-feira, a demissão sumária de 800 trabalhadores. Esta prática não é nova, faz parte de uma estratégia há muito conhecida por nós brasileiros.

É preciso, porém, destacar que desta vez as montadoras não exigem apenas a renovação da política de redução do IPI, mas também a criação de fundo com recursos do FAT para sustentar ainda mais os seus lucros, possibilitando que o contribuinte financie o sistema de layoff destas empresas, assegurando a regulação administrativa e financeira em momentos de queda da demanda.

Ao mesmo tempo em que a Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB) se solidariza com a luta dos metalúrgicos em greve contra as demissões, conclamamos o governo, a sociedade e, sobretudo, o movimento sindical a dar um basta nesta chantagem, que tem causado prejuízos enormes para o País.

São Paulo, 7 de janeiro de 2015.

Antonio Neto

Presidente da CSB

 

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra