O Brasil reaprendeu a pensar o futuro

O PAC reafirma o Estado como indutor do desenvolvimento; o governo destinou R$ 11 bi para os metrôs de BH, Porto Alegre, Salvador, Curitiba e Fortaleza

Os resultados alcançados pela nossa economia nos últimos anos, mesmo em tempos de crise mundial, mostram que o PAC alcançou o objetivo que lhe empresta o nome: acelerar o crescimento do Brasil.

Impulsionado pelo PAC, o país rompeu em definitivo com duas décadas de estagnação e viu o PIB crescer em média 4,2% ao ano, entre 2007 e 2011, corrigindo desigualdades regionais e sociais históricas. Agentes públicos e iniciativa privada voltaram a planejar investimentos e programar projetos de longo prazo. Com o PAC, o Brasil reaprendeu a pensar o futuro.

No mesmo período, o investimento cresceu em média 9% ao ano, nove vezes mais do que entre 1995 e 2002. Parte deste aumento ocorreu porque o governo federal dobrou a participação do investimento público em relação ao PIB, recuperando a confiança da iniciativa privada, que voltou a investir, e dinamizando a economia.

O PAC está mudando a cara do Brasil, semeando obras pelo país afora -da pequena rede de abastecimento de água que melhora a vida dos moradores da cidadezinha mais pobre à grande usina hidrelétrica que alimenta o desenvolvimento.

O PAC faz nascer milhares de postos de trabalho onde antes havia só um vazio no mapa. Nas periferias das capitais, homens e mulheres trabalham em obras que beneficiam diretamente as suas comunidades, construindo com as próprias mãos uma vida melhor para os filhos.

O PAC acelera a geração de empregos formais. Entre 2007 e 2011, o crescimento foi de 72% na construção de moradias e de 77% na construção de rodovias e ferrovias, por exemplo. A renda real dos trabalhadores também cresceu, melhorando a qualidade do emprego e fortalecendo ainda mais o mercado interno.

Com o PAC 2, lançado em 2011, o país mantém o ritmo. Em um ano, foram executados R$ 204,4 bilhões em obras, 21% do previsto para o período entre 2011 e 2014. O forte desempenho aconteceu mesmo sendo um novo ciclo de obras, algo que exige o cumprimento de um rígido protocolo de elaboração de projetos, de licenciamento socioambiental e de licitação.

Isso mostra que atingimos um patamar ainda mais elevado: em 2011, a União investiu 27% a mais do que em 2010, até então o melhor ano do PAC, e nada menos que 284% em relação ao primeiro ano do programa.

Em 12 meses de PAC 2, foram contratadas 457 mil unidades do Minha Casa, Minha Vida. Mais de 7 mil km de rodovia estão em andamento, com obras de pavimentação e duplicação. Foram perfurados 236 novos poços de petróleo, no pós e no pré-sal.

Os metrôs de Belo Horizonte, Salvador, Curitiba, Porto Alegre e Fortaleza e o novo sistema de transporte de Recife foram selecionados para receber investimentos de R$ 11 bilhões. O parque gerador de energia elétrica ganhou mais 2.800 MW, o suficiente para abastecer Pernambuco. O Luz para Todos chegou a mais 247 mil lares.

Foram realizados com sucesso leilões de concessão de quatro aeroportos, que receberão investimentos de R$ 16 bilhões. Seis aeroportos foram ampliados, para atender 12 milhões de passageiros a mais por ano.

Milhares de obras de saneamento, abastecimento de água e urbanização foram contratadas, num total de R$ 16,6 bilhões em investimentos. Outros R$ 4,2 bilhões já estão contratados para drenagem e contenção de encostas, com o objetivo de prevenir tragédias provocadas pela chuva.

E é assim que, com o PAC, o Brasil reafirma o papel do Estado como indutor do desenvolvimento. Cria ambiente favorável ao investimento privado. Gera emprego, renda e oportunidades. Mostra que, por trás de cada número, há vidas em movimento -e que o movimento é sem volta.

MIRIAM BELCHIOR, 54, engenheira de alimentos, é ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão

Fonte: Folha

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)