Neto

Jogo das multinacionais

Por Antonio Neto*

A flexibilização dos direitos trabalhistas não interessa ao Brasil, muito menos aos trabalhadores. Este tema já foi superado. Lutamos para ampliar os direitos, não para diminuí-los. Recentemente, o país quebrou paradigmas importantes e desmistificou supostas “verdades”. Uma delas era de que aumentar o salário mínimo quebraria as prefeituras e a Previdência. Criamos uma política de valorização do mínimo, que resultou num aumento nominal de 211% entre 2002 e 2012 (Dieese). Distribuímos renda, sem quebrar nada. Diziam ainda que o moderno era enxugar o Estado, privatizar, crescer para depois distribuir a renda, acabar com a CLT para gerar competitividade. Em suma, “slogans” de uma mesma corrente de pensamento.

Mas nos últimos dez anos, tivemos um governo que fez o contrário: fortaleceu o Estado, criou políticas sociais, atuou dinamicamente na economia, colhendo índices positivos. A taxa de desemprego atingiu a mínima histórica, 6,7%; setores crescem acima de 10% ao ano; o contingente de trabalhadores com carteira já representa 74,6% dos empregados; massa salarial e rendimento médio crescentes; diminuição da pobreza, com ascensão social; crescimento econômico, aumento da lucratividade das empresas; juros baixos; inflação controlada, desoneração da folha. Tudo sem cortar nenhum direito.

Agora ressurgem os defensores da “flexibilização”, com a mesma alegação de que precisamos “gerar competitividade”. A competitividade jamais virá do corte dos direitos. Ela é resultado do investimento em pesquisa, da inovação, da qualificação dos trabalhadores e, sobretudo, da valorização destes.

A defesa da flexibilização dos direitos trabalhistas, a imposição do acordado sobre a lei, interessa apenas às empresas multinacionais que estão com suas matrizes em crise. Ela não beneficia sequer a indústria nacional, que deveria ter condições diferenciadas de apoio do Estado, principalmente nos setores estratégicos da economia. Não temos que copiar nenhum modelo, muito menos o alemão, que não serve de parâmetro nem mesmo para Europa.

Não há dúvida de que este projeto é feito para o setor automotivo, que “vive” em crise. Só “melhora” após receber benesses tributárias. Um setor insaciável, que pressiona a sociedade, mas nunca diminui a remessa de lucros.

O Brasil passa por uma nova conjuntura. Nela, a agenda dos trabalhadores é a redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais, a aprovação da Convenção 158 da Organização Internacional do Trabalho, que limita a demissão imotivada, o fim do fator previdenciário, o fortalecimento dos sindicatos e a ampliação da renda.

* Antonio Neto é presidente da Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB).

Publicado no jornal O Globo – Edição de 22 de outubro de 2012.

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra