“Será que Bolsonaro irá seguir seu país exemplo (EUA) agora?” afirma Neto durante debate sobre retorno do auxílio

Na última quarta-feira (10) o We Coletivo reuniu em uma live o deputado federal André Janones (Avante-MG), o presidente da CSB e do PDT na cidade de São Paulo, Antonio Neto, e o professor da FGV, Nelson Marconi, para debater um dos temas mais caros ao momento de crise política, sanitária e social que o Brasil vive, o retorno após um hiato de mais de 3 meses do auxílio emergencial.

Com comando da engenheira biomédica, Thabata Ganga, o evento levantou pontos importantes da “saga” que envolve o pagamento de um auxílio para as populações mais carentes do país.

“Temos que canalizar essa energia do trabalhador e do empresário na luta por vacina e auxílio. Já que nossa elite sempre acha que o que os EUA e Europa fazem é bom, vejam lá o pacote aprovado pelo Biden de U$1.9 trilhões e o fortalecimento dos sindicatos para girar a economia, socorrer o empresário e o trabalhador. A retomada da economia passa por sindicatos fortes e salários fortes.”  afirmou o presidente da Central dos Sindicatos Brasileiros, Antonio Neto.

Após a aprovação em meados de 2020 do auxílio, o que se sucedeu foi uma batalha constante para conseguir prorrogar esses pagamentos até o mês de dezembro, já enfrentando uma articulação bem sucedida do governo federal para restringir o valor em R$300 e agora uma parcela do Congresso que enfrenta a PEC 186/96, usada como moeda de troca para a aprovação de mais uma rodada de pagamentos, com valor ainda menor “o auxílio foi aprovado por unanimidade pelos 513 membros eleitos da câmara ainda em 2020…isso mostra o que falta para a nossa sensibilidade com o momento que vivemos” afirmou o deputado federal André Janones.

O deputado ainda compartilhou as dificuldades impostas pela tramitação dessa PEC, que vendida como essencial para a aprovação de um resgate dos trabalhadores acabou virando uma armadilha para os congressistas: “você ou vota para ferrar com os servidores públicos ou vota contra o auxílio. É uma armadilha sem saída. Agora o que fazemos é minimizar os danos, por exemplo através do destaque 3 do Deputado Wolney Queiroz (PDT) que tira o limite de valor a ser pago”. Dentro desse cenário, Thabata Ganga questionou os participantes sobre quais poderiam ser os caminhos alternativos para viabilizar esse pagamento, se tantos países conseguem articular um programa de renda ao longo de todo esse período, por que o Brasil se prende em discussões como essas da PEC?

“Como que os outros países fizeram diferente? Foram e emitiram moeda quando viram que precisavam aumentar gastos, com isso você não aumenta significativamente a dívida com o mercado. E como você diminui essa dívida no futuro? Taxação de lucros e dividendos, de heranças milionárias, diminuição de certos incentivos.” completou o economista, Nelson Marconi.

O líder sindical e presidente do PDT em São Paulo, Antonio Neto, lembrou ainda que enquanto essa PEC que se arrasta pelo Congresso para viabilizar um aporte de R$44 bilhões para o auxílio, o governo brasileiro mantém em caixa reservas de R$ 4 trilhões “dinheiro não é o problema para bancar o auxílio”.

O debate em torno do auxílio se mostrou não só urgente para o momento de caos social e econômico que vivemos, mas também quebrou paradigmas antes estabelecidos no imaginário popular, permeados por uma propaganda neoliberal que se infiltrou na mente das pessoas ao longo dos últimos anos. O que parecia utópico antes da pandemia como o pagamento de uma renda mínima permanente, se mostrou não só viável como benéfico para economia brasileira em sua totalidade.

“Quando se falava em renda mínima no passado, tudo ficava no mundo das idéias. Agora ficou claro que um programa de transferência de renda é a única forma de enfrentar as desigualdade desse país. Em especial a fome, que pode voltar a se tornar o drama prioritário do Brasil, assim como foi nos anos 90.” afirmou Janones

O debate foi promovido pelo We Coletivo, uma organização autônoma criada por cidadãos dispostos a participar da construção de espaços de reflexão acerca de temas relevantes ao aprimoramento social. 

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)