VALE TUDO! STF rasga a Constituição a favor de Bolsonaro

Em julgamento, plenário do Supremo autoriza vale tudo sob justificativa da pandemia causada pelo coronavírus

O pleno do STF continuou nesta sexta-feira (17), em sessão virtual, o julgamento da ADI 6363, movida pela Rede Sustentabilidade com a participação das Centrais Sindicais como amicus curiae. A Ação Direta de Inconstitucionalidade denúncia o caráter inconstitucional e predatório da MP 936/20.

A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) de legislar em afronta à Constituição Brasileira, para que os patrões imponham unilateralmente redução salarial ou suspensão de contrato para trabalhadores com ganho de até R$ 3.135,00, é uma verdadeira atrocidade contra os trabalhadores mais vulneráveis, contra a Constituição é mais uma mácula na Suprema Corte do País.

O argumento dos ministros que votaram contra a constituição foi a crise socioeconômica gerada pela pandemia para rejeitar a ADI apresentada.

A ação questionava a MP do governo que permite os acordos individuais para redução de jornada e trabalho ou suspensão de contratos, durante a calamidade pública declarada devido à pandemia do novo coronavírus, sem a participação dos sindicatos.

O Presidente da Central dos Sindicatos Brasileiros demonstrou preocupação e alertou para os riscos a democracia que essa decisão representa.

“Foi um retrocesso. O pleno do Supremo dá o seguinte recado: Em tempos de pandemia vale tudo! Isso é perigosíssimo. Daqui a pouco vai ter projetinho de ditador querendo fechar o Congresso e o STF sob o argumento que estamos passando por uma crise. Hoje os sindicatos são afastados do seu papel constitucional, amanhã pode ser o Congresso, depois o Supremo…”, avaliou Antonio Neto, Presidente da CSB.

O Julgamento

Ontem, o relator, Ministro Ricardo Lewandowski proferiu seu voto pela legalidade e constitucionalidade. No voto, o ministro destacou a necessidade e importância dos sindicatos na construção de Acordos Coletivos que protejam vidas, empregos e renda.

“Não tem sentido de excluirmos neste momento importante, de crise que precisamos superar e que prenuncia graves desafios no futuro do País, não é possível prescindir a participação dos sindicatos dos trabalhadores”, afirmou o ministro ao ressaltar a importância do movimento sindical.

“Por que aqui vamos construir uma solução tupiniquim, que pode se traduzir em prejuízos aos trabalhadores?”, questionou o Ministro.

Na sessão de hoje, os ministros Edson Fachin e Rosa Weber concordaram com o relator e criticaram a relativização do texto e preceitos constitucionais em nome da crise.

Já os ministros Alexandre de Moraes, Dias Toffoli, Luís Roberto Barroso, Luiz Fux, Cármen Lúcia, Gilmar Mendes e Marco Aurélio Mello acompanharam a tese que rasgou a Constituição.

Em seu voto, o Ministro Luís Roberto Barroso demonstrou completa falta de sensibilidade com os trabalhadores. O ministro causou indignação ao dizer que o único risco dos trabalhadores ao negociar diretamente com o patrão é “apenas a demissão”.

Os Ministros Fux e Barroso demonstraram que não conhecem o movimento sindical ao minimizar o papel das entidades responsáveis pelo salário mínimo, 13º salário, jornada de 44 horas semanais entre inúmeras conquistas.

O resultado final da votação foram de 7 votos a 3 contra a Constituição e a Democracia.

Compartilhe:

Leia mais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)
Nota das centrais selic
Centrais pedem redução dos juros: "por desenvolvimento com justiça social"