anarosa-e1397738165132

USP revê demissão de professora que sumiu na ditadura

Ao demiti-la, em 75, universidade afirmou que houve abandono de emprego; família exige reversão da medida

A Congregação do Instituto de Química da USP se reúne hoje para rever a demissão da docente e militante da ALN (Ação Libertadora Nacional) Ana Rosa Kucinski, vista pela última vez há 40 anos. A revogação é considerada certa.

A reunião, revelada ontem pelo jornal “O Estado de S. Paulo”, foi confirmada pelo Instituto de Química. Trata-se de uma reação ao pedido da Comissão da Verdade da USP para reverter o caso.

Em outubro de 1975, mais de um ano após o seu desaparecimento, Ana Rosa Kucinski foi demitida pela congregação –instância mais alta do Instituto de Química– sob a justificativa de abandono de emprego.

A decisão, tomada por 13 votos a favor e 2 votos em branco, levou em consideração uma nota oficial do Ministério da Justiça pela qual Ana Rosa e o seu marido, Wilson Silva, desaparecido junto com ela, eram “terroristas” e estavam “foragidos”.

Segundo depoimentos de agentes da repressão, o casal foi sequestrado no dia 22 de abril de 1974 e levado para um centro de interrogatório e tortura em Petrópolis (RJ).

O ex-delegado de polícia Cláudio Guerra afirma que Ana Rosa, então com 32 anos, foi assassinada ali mesmo, e que depois seu corpo foi incinerado no forno de uma usina de açúcar.

Em 1995, a reitoria da USP reverteu a demissão, e Ana Rosa passou a ser considerada desaparecida política.

Sua família e a Comissão da Verdade da universidade, porém, consideram essa decisão insuficiente e têm exigido que a própria Congregação do Instituto de Química reveja publicamente a demissão da professora.

O instituto também inaugurará uma escultura em homenagem a Ana Rosa na entrada do prédio, no campus da USP. A solenidade será realizada às 15h do próximo dia 22, exatos 40 anos após o seu desaparecimento.

Fonte: Folha de São Paulo

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra