Trabalho-em-casa-e1389359620595

TST adotou trabalho em casa em 2012 e diz que produtividade subiu

Só 25 dos mais de 2.000 servidores da corte operam nesse sistema

O sistema de “home office” que o novo presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, José Renato Nalini, quer implementar no Judiciário paulista já existe há quase dois anos no TST (Tribunal Superior do Trabalho).

No projeto que o presidente do TJ quer colocar em prática, os servidores poderiam trabalhar dois dos cinco dias da semana de casa. Já no TST, os funcionários ficam sempre em casa, tendo a obrigação apenas de comparecer ao tribunal quinzenalmente para se reunir com seu superior.

O sistema foi regulamentado pela corte em fevereiro de 2012. Durante um ano, o projeto ficou em fase de teste e depois foi implementado definitivamente. Hoje só 25 dos mais de 2.000 servidores do TST trabalham de casa.

O trabalho desenvolvido por esses funcionários tem de ser mensurável, já que eles têm que cumprir metas semanais pelo menos 15% superiores àquelas estipuladas para os demais funcionários.

Apesar de não terem que ir ao TST para trabalhar, os servidores não podem se ausentar do Distrito Federal em dias de expediente e devem atender a convocação para comparecer ao tribunal.

Para o TST, o teletrabalho tem rendido bons resultados. Na maioria dos casos os chefes relatam que os funcionários têm ultrapassado as metas e, desta forma, aumentado a produtividade do setor em que estão lotados. Os servidores destacam a melhoria na qualidade de vida, pois não enfrentam trânsito e têm mais tempo para a família.

Pela minuta que regulamenta o teletrabalho no TST, só 30% dos servidores de cada unidade podem trabalhar de casa. Setores que atuam na relação com o público têm de manter a capacidade plena.

O plano de implementar o sistema de “home office” no Judiciário paulista foi anunciado por Nalini durante sua posse como presidente do TJ, no último dia 2. Ele disse que a medida poderá aumentar a produtividade e contribuir para a política de mobilidade urbana de São Paulo.

Fonte: Folha de S.Paulo

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra