STF: Ministro dá 5 dias para PF ouvir Moro sobre acusações contra Bolsonaro

A determinação é do ministro Celso de Melo, do Supremo Tribunal Federal

O ministro Celso de Mello, do STF (Supremo Tribunal Federal), determinou hoje que a Polícia Federal tome o depoimento do ex-ministro Sergio Moro (Justiça) em até cinco dias para apurar as acusações feitas pelo ex-juiz da Lava Jato contra o presidente Jair Bolsonaro. O prazo anterior era de 60 dias.

A medida foi tomada atendendo a um pedido de três parlamentares. O senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE) e os deputados federais Tabata Amaral (PDT-SP) e Felipe Rigoni (PSB-ES) alegaram que o prazo anterior era “excessivo”.

A decisão diz que a PF deve realizar diligência no prazo de cinco dias e que Moro seja intimado para apresentar “manifestação detalhada sobre os termos do pronunciamento, com a exibição de documentação idônea que eventualmente possua acerca dos eventos em questão”.

Celso de Mello se referiu aos fatos narrados por Moro no pronunciamento feito à imprensa no dia em que anunciou sua saída do governo. O ex-ministro disse que deixava o Ministério da Justiça e Segurança Pública porque Bolsonaro queria interferir na Polícia Federal com a exoneração do ex-diretor-geral da corporação, Maurício Valeixo.

Essa diligência determinada pelo ministro relator no Supremo faz parte de um inquérito aberto a pedido do procurador-geral da República, Augusto Aras, para investigar os possíveis crimes cometidos por Bolsonaro. Moro também aparece como investigado no caso.

O que diz Moro

Em entrevista à revista Veja que vai às bancas nesta semana, o ex-ministro disse que vai entregar provas ao STF sobre as acusações.

“Reitero tudo o que disse no meu pronunciamento. Esclarecimentos adicionais farei apenas quando for instado pela Justiça. As provas serão apresentadas no momento oportuno, quando a Justiça solicitar”, disse Moro.

Questionado pela reportagem da revista sobre o conteúdo das mensagens com Bolsonaro, nas quais ele dizia que uma investigação da Polícia Federal contra deputados aliados era “mais um motivo” para a troca do comando da Polícia Federal, o ex-juiz não quis se estender sobre a intenção de Bolsonaro.

“Essa é uma questão que também vai ter de ser examinada dentro do inquérito que foi aberto no Supremo Tribunal Federal para investigar esse caso. Reitero a minha posição. Uma vez dito, é aquilo que foi dito. Não volto atrás. Seria incoerente com o meu histórico ceder a qualquer intimidação, seja virtual, seja verbal, seja por atitudes de pessoas ou de outras autoridades”, disse Moro.

Nosso pedido foi acatado há pouco pelo ministro do STF Celso de Mello! Pedimos a antecipação do prazo para o depoimento do ex-ministro Sérgio Moro, que inicialmente era de 60 dias, e passou a ser de 5 dias. Falei sobre isso com a CNN mais cedo, antes da decisão do ministro.

Via: UOL

Compartilhe:

Leia mais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)
Nota das centrais selic
Centrais pedem redução dos juros: "por desenvolvimento com justiça social"