Solenidade tem repúdios a Bolsonaro e às manifestações que pedem intervenção militar

Representantes de OAB, CNBB e centrais sindicais dizem que pessoas que pedem volta de regime militar precisam ‘se conscientizar e parar de olhar para trás’; também solicitaram cassação de deputado

Brasília – O lançamento do relatório da Comissão Nacional da Verdade (CNV), hoje (10), contou com manifestações de protestos contra o deputado Jair Bolsonaro (PP-RJ), alertas para os que pedem nas ruas a volta do regime militar no país e maior conscientização para a importância de ser realizada, o quanto antes, a reforma política. Um dos primeiros a mencionar o assunto, durante solenidade realizada na sede da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), foi o presidente da Comissão Nacional de Direitos Humanos da OAB e da Comissão da Verdade do Rio de Janeiro, Wadih Damous. “Ainda temos em nosso país parlamentares que fazem apologia ao estupro”, criticou, numa referência a Bolsonaro.

Damous afirmou, em meio às salvas de palmas para a deputada Maria do Rosário, ex-secretária nacional de Direitos Humanos – agredida no plenário da Câmara, ontem, por Bolsonaro com a frase de que “não merece ser estuprada” – que a OAB deveria elaborar um manual de bons modos para distribuir entre os parlamentares e ensinar à mesa diretora da Câmara o que é decoro parlamentar.

Também o representante das centrais sindicais no âmbito da CNV, Ismael Antonio de Souza, enfatizou que o Congresso Nacional precisa cassar Bolsonaro pelo que fez, “inclusive para que ele possa ser processado e preso”, acrescentou. Wadih Damous lembrou, ainda, que as informações contidas no documento da comissão são importantes para lembrar tudo o que ocorreu naquele período. E reiterou esperar que isso possa ajudar a conscientizar as pessoas que têm ido para as ruas pedir uma nova intervenção militar.

O representante da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Leonardo Steiner, chamou a atenção para que o país prossiga na sua mobilização por reforma política, como forma de ajudar a conter distorções observadas hoje, de diversas formas.

“A reforma política é extremamente urgente e a CNBB está empenhada em trabalhar para que ela aconteça. Não nos escondemos na ditadura e não nos esconderemos na busca pela verdade nem pelo respeito à democracia. Os agentes das violações aos direitos humanos precisam ser responsabilizados para que fique claro que não queremos uma usurpação de poder nunca mais. E vemos a reforma política como um dos caminhos para que isso aconteça”, frisou.

Nota da redação: Ismael Antonio de Souza é diretor do Sindpd/SP e representa a CSB , Central dos Sindicatos Brasileiros no GT dos Trabalhadores da Comissão Nacional da Verdade.

Fonte: Rede Brasil Atual – por Hylda Cavalcanti, da RBA

Compartilhe:

Leia mais
reunião fessergs reestruturação carreiras servidores rs
Servidores do RS pedem mais tempo para debater projetos de reestruturação de carreiras
Diretoria sindicato rodoviarios caxias do sul
Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários de Caxias do Sul (RS) reelege diretoria
senado e governo reoneração folha de pagamento
STF prorroga prazo para Senado e governo discutirem reoneração da folha de pagamento
eleição diretoria sindicato servidores são vicente 2024
Sindicato dos Servidores de São Vicente (SP) elege nova diretoria em disputa acirrada
lucro recorde fgts 2023
Lucro do FGTS quase dobra em um ano e atinge recorde de R$ 23,4 bilhões em 2023
comissão provisória csb-ba
Presidente da CSB-BA pede afastamento, e Antonio Neto nomeia comissão provisória
reunião centrais e governo lei igualdade salarial
Centrais e governo avaliam resultados do primeiro ano da Lei da Igualdade Salarial
mpt recomendação contadores contribuição sindicatos
Contador não pode incentivar oposição à contribuição sindical, orienta MPT
CSB no Forum Interconselhos 2024
Governo retoma Fórum Interconselhos com G20 Social e Plano Clima em foco
reuniões centrais sindicais 16 e 18 julho
Links: centrais realizam reuniões sobre agenda legislativa nos estados