Sindicalistas avaliam queda na popularidade de Jair Bolsonaro

Pesquisa do Instituto Datafolha, divulgada segunda (2), revela que a popularidade de Jair Bolsonaro continua em queda, e em ritmo acelerado. A reprovação ao governo saltou de 33%, em julho, para 38%, agora.

Antonio Neto, presidente da CSB – Central dos Sindicatos Brasileiros -, não se surpreende com os resultados. “Já prevíamos. E vai aprofundar. É só lembrarmos o que aconteceu na Argentina. No início, o governo Macri era incensado pela sua política neoliberal, desregulamentação das entidades sindicais, da Previdência, que lá foi mais profunda. O resultado os argentinos estão vendo agora. Caminhamos para o mesmo destino”, comenta.

A pior avaliação de Bolsonaro aparece entre os mais pobres (22%), os mais jovens (24%) e os menos escolarizados (26%). Mesmo a parcela daqueles que ainda apoiam Bolsonaro vem caindo. Ele é defendido por 29% dos pesquisados, em julho apoio era de 33%.

Calixto – José Calixto Ramos, presidente da CNTI e da Nova Central Sindical, que já negociou com vários governos, avalia como natural o desmoronamento da imagem de Bolsonaro entre os trabalhadores. Explica: “O atual presidente nunca falou sobre a classe trabalhadora na sua campanha. E continuou assim depois de assumir o governo. Pensávamos que iria mudar. Que ele fosse tomar consciência e olhar para os 8,5 milhões de quilômetros do Pais, para os seus 210 milhões de habitantes. Para os mais pobres. Mas o que temos visto são ataques sistemáticos à organização sindical e a extinção de conselhos que tinham a participação de movimentos sociais e trabalhadores”.

Calejado nos embates com patrões e governo, Calixto diz: “Hoje não chegamos a estar em desespero por que já passamos por muitos momentos difíceis e conseguimos sobreviver. Mas vemos um quadro muito preocupante. Por mais que queiramos fazer uma avaliação positiva do governo não conseguimos. A tendência é que essa deterioração de Bolsonaro deva continuar “.

Queda – Sérgio Luiz Leite (Serginho), presidente da Fequimfar – Federação dos Trabalhadores nas Indústrias Químicas, Farmacêuticas e Plásticas do Estado de São Paulo – e diretor da Força Sindical – também comenta os resultados da pesquisa. Para Serginho, a queda é fruto do que a população, especialmente os trabalhadores, está sentindo. “As pessoas estão frustradas. Até mesmo as que votaram no Bolsonaro em busca de uma esperança. Não houve queda no desemprego. A economia não anda. Falta confiança e isso vai continuar crescendo por que a cada dia é uma besteira. Ele está desconectado da população mais pobre”.

Fonte: Agência Sindical

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)