shell-vendeu-milhoes-de-creditos-de-carbono-que-nunca-removeu-400x255-1

Shell vendeu milhões de créditos de carbono que nunca removeu; entenda

A petroleira Shell vendeu milhões de créditos de carbono que nunca existiram, referentes a remoções de gás carbônico da atmosfera que nunca foi feita, a empresas de areias betuminosas – uma espécie de petróleo viscoso – do Canadá. O caso gerou questionamento sobre a eficácia da venda de créditos de carbono no combate às emissões de gases de efeito estufa e foi revelado pelo jornal Financial Times.

A situação ocorreu a partir de um esquema de subsídios do governo de Alberta, província no Canadá, que visava impulsionar a indústria. Seguindo as regras especiais, a Shell pôde registrar e vender créditos de carbono equivalentes ao dobro do volume de emissões evitadas por sua instalação de captura de carbono Quest entre 2015 e 2021, segundo registro de Alberta.

Com esse esquema, foram registrados 5,7 milhões de créditos de carbono que não tiveram reduções de gás carbônico equivalentes e que foram posteriormente vendidos pela Shell a diversas empresas de areias betuminosas como a Chevron, Canadian Natural Resources, ConocoPhillips, Imperial Oil e Suncor Energy.

A Shell defendeu a venda de créditos de carbono pois ela tem “papel importante para ajudar a descarbonizar a indústria e setores onde as emissões não podem ser evitadas” e afirmou que aproveitar seu potencial “requer a criação de incentivos de mercado agora”.

Já o Ministério do Meio Ambiente de Alberta disse que não houve prejuízo porque o esquema de apoio aos créditos não resultou em “emissões adicionais” pelos poluidores. As empresas que compraram os créditos “fantasmas” não se pronunciaram.

Custos do crédito

O Financial Times apontou que empresas de energia pressionam por mais apoio do Estado para a captura e o armazenamento de carbono. A província de Alberta é hoje um dos depósitos de petróleo com maior concentração de carbono do mundo.

Ao mesmo tempo, o Canadá tem as regras mais generosas para a captura e armazenamento de carbono, segundo apontou o grupo de pesquisa energética Wood Mackenzie. Porém, até lá a indústria de carbono tem sofrido para se tornar viável.

Uma das grandes operadoras no mercado de créditos de carbono é justamente a Quest, planta operada pela Shell Canada e pertencente Canadian Natural Resources, Chevron e Shell Canada.

Na Quest, o gás carbônico é removido durante a produção de gás hidrogênio, que é usado no processo – com alta emissão de carbono – de transformar o betume extraído dos depósitos de areias betuminosas em petróleo bruto sintético.

Em seu relatório anual, a Quest apontou que cada tonelada de carbono evitada custou US$ 167,90, enquanto o preço de venda para os grandes emissores em Alberta naquele ano foi de US$ 50 por tonelada. O subsídio em 2022 havia sido encerrado.

Segundo dados obtidos pelo Greenpeace Canadá e compartilhados com o Financial Times, a Shell originalmente pediu um acordo de três por um em créditos de carbono na Quest. A petroleira acabou conseguindo um esquema de dois por um, anunciado em 2011 pelo governo de Alberta.

No fim, o esquema beneficiou apenas a Quest, que era a única vendedora de créditos de carbono operando na província em 2015.

Eficácia questionável

Outra questão é a eficácia da venda de créditos de carbono para compensar as emissões de gás carbônico. A Agência Internacional de Energia alertou que uma quantidade “inconcebível” de captura e armazenamento de carbono será necessária para manter a produção de petróleo e gás nas taxas existentes enquanto reduz as emissões de gases de efeito estufa.

Jonathan Wilkinson, ministro de energia e recursos naturais do Canadá, disse ao Financial Times que um sistema de dois por um para créditos de carbono “provavelmente não é apropriado”. “No fim, o setor de petróleo e gás e as empresas de areias betuminosas em particular precisam começar a reduzir as emissões”, disse.

Fonte: Financial Times, via Folha de S.Paulo

Foto: reprodução

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra