Servidores da enfermagem de BH fazem mobilização pelo pagamento do piso

Servidores da enfermagem de BH fazem mobilização pelo pagamento do piso salarial – O Sindicato dos Servidores do Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais (Sisipsemg) participou de uma mobilização no centro de Belo Horizonte nesta quinta-feira (29), em resposta ao chamado da Federação Nacional dos Enfermeiros (FNE).

A categoria promove uma série de protestos nacionalmente pressionando pela aplicação do piso salarial da enfermagem. Os enfermeiros da prefeitura de BH chegaram a entrar em greve nesta sexta-feira (30), mas decidiram suspender após a Justiça declarar a paralisação ilegal e impor uma multa de R$ 10 mil por hora.

Relacionada: Protesto em Brasília pede agilidade no pagamento do piso salarial da enfermagem

A presidente do Sisipsemg, Antonieta Dorledo, explicou que o ato é uma forma de alertar para a necessidade de união da categoria e de sensibilizar a sociedade em torno da luta para que o piso da enfermagem seja pago o quanto antes.

“Estamos pedindo apoio da sociedade para cumprimento da lei que foi aprovada e sancionada. Não há alternativa se não pagar o piso. Não podemos esperar outra pandemia para mostrar nosso valor. Somos um serviço essencial, perdemos milhares de colegas que não deixaram de honrar com seus compromissos. Está passando da hora de termos nosso piso sendo pago”, disse.

Após os informes, os servidores saíram em passeata pela Avenida dos Andradas, até a Praça da Estação, onde se juntaram a trabalhadores de outras categorias em uma grande manifestação pelas ruas da capital e finalizaram o ato na Praça Sete.

Sobre o piso salarial da enfermagem

Pela nova regra aprovada pela Congresso Nacional, o piso passa a ser de R$ 4.700 para os enfermeiros, R$ 3.325 para técnicos de enfermagem e R$ 2.375 para auxiliares e parteiras.

Porém, o ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), havia concedido uma liminar suspendendo o piso acatando o argumento de que o projeto de lei impunha novos gastos à administração pública sem garantir a fonte de recursos para cumpri-los, o que é proibido pela Constituição.

Em maio deste ano, o presidente Lula sancionou a lei que liberou R$ 7,3 bilhões para financiar o piso da enfermagem nos estados, municípios, Distrito Federal, entidades filantrópicas e prestadores de serviço que atendam pelo menos 60% dos seus pacientes por meio do Sistema Único de Saúde (SUS).

Assim, Barroso derrubou a própria liminar e desde então o processo questionando o piso no STF está em votação no plenário virtual. O prazo para todos os ministros inserirem seus votos acaba nesta sexta.

Compartilhe:

Leia mais
Chinelo - Antonio Neto e Cosme Nogueira fundação Fesmig
CSB, Sinab e CSPM celebram criação da Fesmig - Federação dos Servidores de Minas Gerais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)