WhatsApp-Image-2018-02-15-at-12.23.42

Contra retirada de direitos, servidores municipais de Cotia (SP) protestam em frente à prefeitura

Após aprovação de emenda em sessão extraordinária, servidores podem perder benefícios como quinquênio, sexta parte e licença-prêmio

O Sindicato dos Servidores em Serviços Públicos do Município de Cotia e Osasco realizou na manhã desta quinta-feira (15), em frente à sede da prefeitura de Cotia, um ato de repúdio à aprovação unânime da Proposta de Emenda à Lei Orgânica nº 01/2018, votada em sessões “surpresa” no final de janeiro e começo de fevereiro, na Câmara Municipal.

Com este resultado, aproximadamente três mil servidores, com menos de 20 anos de serviço público, perderão direitos como quinquênio, sexta parte, licença-prêmio e auxílios natalidade e funeral. A proposta que foi apresentada pelo executivo depende da sanção do prefeito Rogério Franco (PSD), que em 2017 sofreu uma ação do Ministério Público sob a acusação de abuso de poder político e de autoridade.

Segundo o presidente do sindicato que representa a categoria, Antonio Rodrigues dos Santos, o Toninho do Caps, a administração municipal e os vereadores não se manifestaram após os atos. Por isso, o dirigente não descarta uma paralisação nas próximas semanas.

“Mesmo após os atos, a prefeitura não nos contatou, e tem vereador indo em algumas escolas ameaçar professores para não participarem de nenhum ato do sindicato, estão jogando sujo. Nos próximos dias faremos uma assembleia para a categoria decidir se vai em peso ou não fazer um ato de greve”, disse o presidente do sindicato.

Presente no ato, a Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB), juntamente com a Federação dos Sindicatos dos Servidores Públicos Municipais do Estado de São Paulo (Fesspmesp) e a Confederação Nacional dos Servidores Públicos Municipais (CSPM) prometem apoiar a categoria até as últimas consequências.

“A CSB, a Federação e Confederação estão dando todo apoio necessário para que o sindicato consiga atuar, seja em suas mobilizações, com carros de som e pessoal de apoio, quanto na parte jurídica e política. Apesar da estabilidade, o servidor público tem receio de sofrer alguma penalidade, por isso o sindicato tem que dar a ele segurança, e quando você agrega mais três entidades apoiando o movimento, dá mais credibilidade e transfere mais segurança aos trabalhadores”, disse o presidente da Fesspmesp e da CSPM, Aires Ribeiro, que também faz parte da direção da Seccional São Paulo da CSB.

A prefeitura por sua vez argumenta que com esta medida trará economia aos cofres públicos. Mas, na contramão, aprovou no final de 2017 o projeto de emenda à Lei Orgânica 4/2017, que dá direito ao 13º salário e mais 1/3 de férias remuneradas aos vereadores, que recebem R$ 10.651, e para o prefeito e vice-prefeito, que recebem R$ 28.404 e R$ 18 mil, respectivamente.

Entenda o caso

Segundo Toninho do Caps, em 2016, o executivo já havia enviado à Câmara um projeto parecido, mas que foi derrubado com uma liminar.

Em novembro de 2017, o prefeito apresentou novamente, mas agora com outro número. Aprovado em primeira votação, os vereadores não deram continuidade após muita pressão das entidades sindicais e dos servidores, que foram pegos de surpresa com a nova apresentação do projeto, votado e aprovado em assembleia extraordinária no último dia 22 de janeiro. Durante a sessão, uma liminar suspendendo a tramitação do projeto foi emitida.

Dias depois e com a liminar derrubada, os vereadores votaram e aprovaram por unanimidade a Lei em segunda votação. Agora, a Lei só necessita da sanção do prefeito.

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra