greve-capa-e1464991593157

Sem pagamento integral da RGA bases do Intermat e Indea entram em greve dia 6

Quem está em estágio problatório pode e deve aderir sem medo de demissão por conta de estar assegurado por súmula do STF

Diante do impasse o qual chegou negociação com o Governo do Estado e os representantes do Fórum Sindical, na tarde da última quinta-feira (02.06), no tocante ao pagamento dos 11,28% da Revisão Geral Anual (RGA), as bases dos servidores do Instituto de Defesa Agropecuária (Indea) e Instituto de Terras do Estado de Mato Grosso (Intermat), sindicalizadas ao Sindicato dos Trabalhadores do Sistema Agrícola, Agrário, Pecuário e Florestal do Estado de Mato Grosso (Sintap), atualmente em ‘estado de greve’, vão somar forças ao movimento grevista a partir da próxima segunda-feira (06.06). Conforme informa a presidente da entidade, Diany Dias, apenas vão trabalhar 30% dos servidores nos postos fiscais, barreiras sanitárias fixas e volantes, conforme pede a lei de greve.

As bases do Sintap, embora não compreendidas por outros sindicalistas mais radicais, ainda não tinham aderido ao movimento, embora a entidade seja participante do Fórum Sindical, por conta de aguardo de prazos de assembleia e de deliberações tiradas nessa assembleia. Afinal, explica a presidente, um sindicato não é ditador, ele ouve o anseio de sua base para então agir da melhor forma possível e a deliberação da assembleia do dia 25 de maio foi entrar em estado de greve para aguardar uma melhora na proposta governamental, o que não ocorreu. “Havíamos optado por esgotar todas as negociações enquanto a posta estivesse aberta. Agora que, definitivamente, o governo falou com todas as letras que não vai fazer mais qualquer proposta além da de pagamento de apenas 6% dos 11,28% e ainda em três vezes, é hora de levantarmos nossos soldados para a luta. Não era este o caminho desejado porque perdemos todos, servidores pelo desgaste de pedir dessa forma um direito que é seu, o governo por não entender que deve ser paga a RGA na integralidade e a sociedade, que fica sem serviços importantes”, refletiu Dias.

A base total do Sintap compreende 950 servidores sendo 56 do Intermat e o restante do Indea. Vale destacar que a paralisação dessa base, embora não tão grande quanto a de outros sindicatos, são pilares importantes na arrecadação do Estado já que trabalham com grandes vertentes como o agronegócio e a questão fundiária.

Sob terror da demissão

Em face do ‘terror’ que vem sendo colocado para quem está em estágio probatório, com a afirmação de que este, caso entre em greve, pode ser demitido, a diretora de Assuntos Jurídicos do Sintap, Rosimeire Ritter, esclarece que é permitido sim, a quem está nessa situação, aderir ao movimento sem medo de represálias pois o direito à greve é garantido por lei.

“A greve é um direito social garantido a todo trabalhador pela Constituição Federal. Os mesmos direitos do servidor estável são assegurados ao servidor que cumpre estágio probatório. Conforme a Súmula 21 do STF – Funcionário em estágio probatório não pode ser exonerado nem demitido sem inquérito ou sem as formalidades legais de apuração de sua capacidade”, informa a diretora. Portanto, não há base na Constituição Federal para fazer distinção entre servidores estáveis e não estáveis, sob pena de afronta ao princípio da isonomia. De acordo com Ritter, a atividade pública, que tem por princípio basilar a legalidade, profere que, à autoridade pública só é autorizado praticar aquilo que se acha permitido pela norma de direito. Sendo assim, servidor, mesmo em estágio probatório, tem seu direito à greve, totalmente assegurado.

Fonte: SINTAP/MT

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra