Resposta para pagamento da RGA só virá nesta quinta-feira

Governo explica que depende de conseguir apoio federal em algumas ações para verificar possibilidade de pagamento

Ainda não foi dessa vez que os representantes das 32 categorias que integram o Fórum Sindical conseguiram uma resposta aprazível por parte do comitê econômico do Governo do Estado em relação ao pagamento efetivo dos 11,28% da Revisão Geral Anual (RGA) dos servidores públicos. Na última análise do governo a proposta apresentada no dia 30 de maio foi a de pagar apenas 5% do total sendo 2% no mês de setembro e outros 3% em janeiro de 2017. Como contraproposta o Fórum apresentou, na mesma data, que houvesse o pagamento integral em quantas vezes o estado achar viável dentro de sua capacidade, desde que seja completada a porcentagem até dezembro deste ano. Em encontro realizado na tarde da última terça-feira (31.05) entre as partes para resposta governamental a essa possibilidade, houve um adiamento para nova reunião na quinta-feira (02.06), às 16h, na Secretaria de Estado de Gestão (Seges), para que o Estado traga uma nova contraproposta após buscar ajuda no âmbito federal.

O motivo do pedido de adiamento, segundo o secretário estadual de Fazenda, Paulo Brustolin, é o fato de ter sido convocado para uma sessão extraordinária do CONFAZ, em Brasília nesta quarta-feira (01.06). Nela, estará o Secretário executivo do Ministério da Fazenda e a provável participação do Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, para debater a situação dos Estados referente à dívida pública destes com a União.

Neste caso, conforme informou o secretário, pode, inclusive, haver a moratória de alguns meses na dívida dos Estados, o que facilitaria uma folga de caixa. Assim, considerando que essa medida interfere na proposta do Governo com o Fórum Sindical e também que será discutido reajustes de servidores de todo o Brasil, onde a União poderá exigir uma contrapartida do Estado. Outro ponto a ser considerado é a reunião agendada do governador Pedro Taques com o presidente interino, Michel Temer, também nesta quarta ao meio-dia, e, dentre os assuntos tratados estarão os de repasses da União – que também poderão interferir na proposta do Governo aos servidores públicos, pontos relevantes nessa negociação.

A Semana

Como nada avançou as categorias que já haviam declarado greve em suas assembleias continuam seu movimento de paralisação. O Sindicato dos Trabalhadores do Sistema Agrícola, Agrário, Pecuário e Florestal do Estado de Mato Grosso (Sintap) que representa os servidores do Indea e Intermat, inicia nesta quinta-feira seu “estado de greve” na esperança de que não seja preciso parar seus trabalhos uma vez que ambas entidades são fontes importantes de arrecadação para o Estado.

Para definir novas ações do movimento de greve enquanto a situação não se resolve, os representantes do Fórum estão reunidos, durante toda a manhã desta quarta-feira, na sede do Sinpaig e devem divulgar a agenda em breve.

Fonte: Adriana Nascimento – Assessoria Sintap

Compartilhe:

Leia mais
STF reverte reforma previdência para servidores
STF forma maioria para reverter pontos da Reforma da Previdência para servidores
Imagem CSB (28)
CSB NA 112ª CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO - OIT 2024
Sticmpel campanha salarial 2024-2025
Trabalhadores da Construção e Mobiliário de Pelotas iniciam campanha salarial 2024/2025
Apoio Financeiro a trabalhadores empresas calamidade RS
Governo abre cadastro para Apoio Financeiro a trabalhadores atingidos por calamidade no RS
home office trabalho híbrido estudo
Trabalho híbrido melhora satisfação no emprego e não afeta produtividade, diz estudo
reunião centrais rs e oit
Centrais e OIT discutem impacto das enchentes no mercado de trabalho do RS
plano erradicação trabalho escravo será atualizado
Plano para Erradicação do Trabalho Escravo será atualizado após 16 anos
podcast fetrarod
Fetrarod lança podcast para discutir temas de interesse dos rodoviários; assista aqui
Manifesto contra PL do estupro
Mulheres sindicalistas divulgam manifesto contra PL do Estupro (PL 1904/24)
Nota das centrais selic
Centrais pedem redução dos juros: "por desenvolvimento com justiça social"