size_810_16_9_ronaldo-nogueira-2

“Quem apostou que a reforma trabalhista seria feita sem diálogo não vai se dar bem”, afirma ministro do Trabalho

O ministro do Trabalho, Ronaldo Nogueira (PTB-RS), disse ontem que a proposta do governo para a reforma trabalhista estará pronta na primeira quinzena de dezembro e reforçou que estão assegurados aos trabalhadores a manutenção de FGTS, 13º salário sem parcelamento e férias. Até agora, ele não havia feito qualquer menção ao fundo de garantia. Nogueia também adiantou que a reforma trará proposta para “serviços especializados” – termo preferido por ele em lugar de terceirização.

“Vamos definir dentro de cada cadeia produtiva o que são os serviços especializados”, disse, explicando que na construção civil, por exemplo, as fases de projeto, fundação e ferragens podem ser consideradas serviços especializados. A terceirização poderá ser também aplicada a atividades sazonais ou ciclos de atividade econômica.

Dois dos principais objetivos do governo interino de Michel Temer com a reforma são o de trazer segurança jurídica aos contratos trabalhistas e também simplificar a legislação, evitando duplas interpretações por parte da Justiça, segundo o ministro. A convenção coletiva de trabalho deverá se sobrepor à legislação em situações como a jornada do trabalho, salário e ganhos de produtividade, entre outros.

Nogueira, que esteve em Pernambuco conversando com trabalhadores que perderam o emprego na região do porto de Suape, disse que manterá o diálogo com empregados e empregadores. “Quem apostou que a reforma trabalhista seria feita sem diálogo não vai se dar bem. Talvez essa franqueza de debate não agrade”, disse, em referência à avaliação de alguns executivos do setor financeiro para quem Nogueira seria “fraco” para conduzir a negociação de um tema tão complexo.

Visivelmente incomodado com a avaliação, Nogueira fez questão de frisar que “não é amigo de banqueiro, que não frequenta a casa de nenhum deles e que apoia o setor produtivo”. “Homens humildes foram grandes homens, que tiveram a valentia para quebrar paradigmas, inclusive o de enfrentar gigantes e poderosos.”

Os bancos têm trabalhado ativamente na proposição de mudanças na legislação trabalhista. Há instituições que chegaram a ter volume de processos dessa natureza que equivalem a 75% de seu quadro de funcionários. A Justiça costuma ser solidária aos trabalhadores na disputa com os lucrativos bancos. “Nenhuma instituição ganha processo trabalhista. O banco sempre é obrigado a negociar”, disse um executivo.

A expectativa é que o tema da reforma trabalhista esquente a partir da votação do impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff. Ontem, Temer, em cerimônia de lançamento do Plano Agro+, no Palácio do Planalto, voltou a reforçar que os direitos trabalhistas estarão assegurados. O governo teme que movimentações populares ou de sindicatos contra a reforma possam atrapalhar votações importantes, fragmentando a já frágil base aliada.

Por Raquel Balarin – Valor Econômico

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra