MG_9802-e1368707014469

Presidente da CSB participa de solenidade em comemoração aos 70 anos da CLT

Antonio Neto esteve em Brasília e defendeu a manutenção e valorização da Consolidação das Leis do Trabalho

Na manhã do dia 15 de maio, foi realizada, no Plenário da Câmara dos Deputados, em Brasília, a Sessão Solene em Homenagem aos 70 Anos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). A iniciativa é dos deputados Assis Melo (PCdoB-RS), Vicentinho (PT-SP), Valtenir Pereira (PSB-MT) e Wellington Fagundes (PR-MT).

Além dos autores, também participaram da solenidade o ministro do Trabalho e Emprego, Manoel Dias; o vice-presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), ministro Antônio José de Barros Levenhagem; representantes da Associação Nacional dos Magistrados; parlamentares; e dirigentes de três centrais sindicais: Antonio Neto, presidente da Central dos Sindicatos Brasileiros (CSB), e representantes da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB) e da Nova Central Sindical de Trabalhadores (NCST).

No início da sessão, foi exibido um vídeo institucional da CLT, contando a história do documento, a criação do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e expondo o crescimento do Brasil ao longo dos anos.

Em seguida, parlamentares discursaram sobre a importância da valorização da CLT. Temas como a valorização da classe trabalhadora, ampliação da renda e do emprego, o avanço dos direitos dos trabalhadores no governo Getúlio Vargas, a legitimidade da cobrança do imposto sindical para o fortalecimento da representação dos trabalhadores, o fator previdenciário e a reforma da CLT foram debatidos. Os participantes se mostraram contrários ao movimento de setores da sociedade, que insistem em alterar a CLT como forma de modernizar as relações de trabalho.

Pela defesa da CLT

Antonio Neto defende a manutenção da CLT como instrumento de luta e conquista dos direitos trabalhistas. “Nada é mais moderno do que combater a desigualdade. Nada é mais arcaico do que a exploração. A CLT representa a segurança do trabalhador e uma carta sagrada para os empresários sérios e modernos”, salienta.

Para o presidente da CSB, o documento também é importante para o movimento sindical. “A CLT serviu de base para todos os avanços que foram conquistados pelos trabalhadores, pois fortaleceu os sindicatos e lhes garantiu estrutura e independência para enfrentar a força do capital”, enfatiza Neto.

Ele ressalta ainda que a homenagem do Brasil aos 70 anos da CTL teve início em 2013 com a com a aprovação da Emenda Constitucional que garantiu direitos aos trabalhadores domésticos, a chamada PEC das domésticas. “É a superação de um dos poucos resquícios que ainda persistiam do regime de exploração. Este deve ser o nosso caminho, este deve ser o nosso rumo”, finaliza o presidente Antonio Neto.

Foto: Luis Macedo_Banco de Imagens da Câmara dos Deputados

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra