noticia110713155822

Prefeitura de Brasnorte inicia exonerações em massa de servidores contratados

Até o final do mê de julho cerca de 100 servidores deverão ser dispensados 

Por determinação do prefeito de Brasnorte Eudes Tarciso de Aguiar (PSD), (Detalhe) a Secretaria de Administração do município exonerou 41 dos seus servidores contratados nestes primeiros dias do mês de julho. Outros 60 servidores deverão ser dispensados nos próximos dias.

A informação foi passada ao Portal Gazeta do Noroeste MT, na manhã desta quinta-feira (09), pelo presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Brasnorte, sindicalista Daniel Ferreira Júnior.

Segundo Daniel, as exonerações ocorrem com a finalidade de enxugar a máquina que hoje teria uma despesa com folha de pessoal beirando os 60 por cento quando o limite prudencial, estabelecido pela LRF, é de 51 por cento.

Analistas e inclusive o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais tinham visto que a luz vermelha da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) há muito tempo estava acesa na Prefeitura de Brasnorte. Não foi por falta de recomendação que a situação ultrapassou todos os limites da responsabilidade e do bom senso. Como se vê hoje.

CABIDÃO – Segundo informações de fontes seguras, o inchamento do quadro funcional de contratados na prefeitura de Brasnorte teve início no final da gestão passada. Continuou inchando na gestão interina e na atual, cujo titular é Tarciso Aguiar.

Desde março que a Secretaria Municipal de Administração vinha anunciando que iriam ocorrer muitos cortes, sob a justificativa de que ou se cortava inclusive na “própria carne” ou a máquina se tornaria inviabilizada para se administrar.

De fato. O próprio Sindicato dos Servidores Públicos Municipais concorda que se a prefeitura não fizer agora os cortes necessários não terá condições de fechar sequer a folha de pagamento do mês de julho.

Um temor que paira principalmente sobre o pessoal da Educação que a partir deste mês passará a receber o piso nacional do professores de acordo com a Lei nº 11.738, de 16 de julho de 2008.

PUNIÇÃO – De acordo com a Lei 101/2000 ou LRF, que prevê normas de finanças públicas, o Executivo municipal deve gastar com a folha até 54 por cento da receita. Se essa despesa passar de 95 por cento do limite (ou seja, 51,3por cento), a prefeitura fica impedida de realizar qualquer ação que eleve ainda mais o gasto, como, por exemplo, contratações, reajuste salarial e criação de cargos. O cofre público também é impactado, pois o município pode ficar sem receber transferências voluntárias e fazer empréstimos.

Fonte: Gazeta do Noroeste / Dorjival Silva

Compartilhe:

Leia mais
discurso lula OIT
Em discurso na OIT, Lula destaca precarização e informalidade como desafios para justiça social
Antonio Neto CSB na OIT 12-06-24
Antonio Neto na OIT: Tecnologias disruptivas podem ser oportunidade para os trabalhadores
Centrais sindicais apresentam denúncia contra governo do Paraná à OIT
Centrais denunciam governo do Paraná na OIT por repressão de greve de professores
FGTS correção inflação decisão stf
Acordo entre centrais e AGU prevalece no STF: FGTS deverá ter correção mínima pela inflação
miguel torres discurso centrais sindicais oit
Centrais pedem fim do golpismo no Brasil em discurso dos trabalhadores na OIT
Luiz Marinho discursa na OIT 2024
Na OIT, Luiz Marinho defende sindicatos e taxação de grandes fortunas
vigilantes niterói ato 13 de junho
Vigilantes de Niterói convocam ato por mais segurança para mulheres da categoria
vinicolas-no-rs-tinham-200-pessoas-em-condicoes-analogas-a-escravidao
Auditores fiscais do Trabalho repudiam fala de dirigente da CNA sobre trabalho escravo
assembleia rodoviários pelotas 10-6-2024
Rodoviários de Pelotas começam a negociar acordos em cenário após enchentes
Comitiva da CSB com ministro Luiz Marinho na Conferência da OIT 2024
Em reunião do Brasil na OIT, empresário diz que Bolsa Família atrapalha mão de obra